escreveu sobre Estação Brás (CPTM)

R. Domingos Paiva, 600

A Estação Brás da CPTM é uma estação intermodal, pois combina diversos meios de transporte. Ela possui duas fachadas: uma originária da Estação Roosevelt, ainda dos tempos da EFCB (Estrada de Ferro Central do Brasil) e outra dos tempos da SPR (São Paulo Railway). O acesso original da EFCB ostenta materiais nobres e a arquitetura é art déco, bem bonita, ficando na Praça Agente Cícero e contando com grande número de bloqueios (que alguns chamam de catracas), enquanto o acesso da SPR é mais simples, conta com poucos bloqueios, utiliza tijolinhos ingleses e não impressiona tanto. Há uma passarela metálica bastante antiga e que não tem boa aparência, para que as pessoas possam transpor a linha férrea, contudo, seu uso deve ser feito de forma atenta, para tentar evitar qualquer problema.

A ordem das linhas ironicamente representa a afobação para o embarque, na Linha 10 é menor, na Linha 11 é mediana e na Linha 12 beira o ridículo, o inaceitável e o absurdo. Há quem chegue a pular, se apoiar no estribo e arriscar a própria vida, só para ir sentado.

No entorno existe comércio popular, alguns poucos restaurantes perto da Contax (empresa de call center) e bancos. É basicamente isso. O bairro do Brás é famoso por ter grandes lojas de roupas e a estação inclusive tem algumas placas que indicam a melhor saída para quem pretende ir lá para fazer compras.

Linhas do Trem Metropolitano que passam pela estação:
* A Linha 10 conta com trens modernizados durante o fim da década de 90 (série 2100), todos com ar condicionado e, apesar de possuírem apenas quatro portas por carro, duas de cada lado, não apresentam grandes problemas no embarque, pois as portas são bem largas, além disso, o trem possui um dos melhores assentos de todas as séries da CPTM em minha opinião, o único que parece ser realmente anatômico e bem pensado. A Linha 10 é útil para chegar em alguns bairros, como Moóca, Ipiranga, por ter uma conexão com a Linha 2 em Tamanduateí e pelo atendimento bastante razoável a alguns municípios do ABC, como Santo André, Mauá e São Caetano.
* A Linha 11 tem trens novos (séries 2000 e 7000) e intervalos na casa dos 5 minutos no horário de pico. Ela é expressa entre Brás e Tatuapé e Tatuapé e Corinthians-Itaquera, conferindo certa praticidade, o trecho entre Luz e Guaianazes é conhecido por Expresso Leste, enquanto o trecho entre Guaianazes e Estudantes é conhecido por Banda B. O comportamento dos usuários não é dos melhores, mas a linha tem sua utilidade para quem vive ou precisa acessar algumas localidades da Zona Leste. Existem alguns trens da do Expresso Leste que vão até Estudantes, a CPTM fornece os horários se você entrar em contato. Os trens da Banda B são reformados e sofreram algumas modificações, mas em geral, a concepção é antiquada e o nível de conforto reflete a mentalidade do que era chamado de "trem urbano' na década de 60.
* A Linha 12 tem uma das frotas de trens mais variada de toda a rede da CPTM. Conhecida no passado como a pior das linhas, ainda ostenta um comportamento vergonhoso de uma parcela de seus usuários. É uma linha que só deixou de ter trens andando com portas abertas por volta de 2005, 2006, o ano de 2006, por sua vez, também inaugurou a entrada de vários trens reformados e a inauguração de diversas estações. A Linha 12 não tem paradas entre Brás e Tatuapé e atende depois uma região mais periférica, tanto da Zona Leste, quanto do Alto Tietê. Um ponto de interesse a ser destacado, além daqueles nas estações Brás e Tatuapé é a Estação USP Leste, permitindo acesso ao campus da EACH da Universidade de São Paulo, algo inédito em um bairro como Ermelino Matarazzo. Ao embarcar na Linha 12, deixe os apressados entrarem e só depois tente entrar com dignidade, do contrário, você provavelmente vai se machucar, ser empurrado etc.

Os anos de 2003 e 2004 marcaram a unificação das estações da SPR e EFCB, na época, a CPTM conduzia o Projeto Integração Centro. A Estação Brás conta com uma integração decente à Linha 3 do Metrô justamente por causa do projeto, além disso, a estação mudou de ares, com grande cobertura, mezanino amplo, escadas rolantes e itens de acessibilidade.

Até 2012 possuía algumas mesas e cadeiras em um espaço cultural. O vandalismo causado por usuários da Linha 12 que evacuaram um trem poucos metros antes da plataforma surtiu no fim da iniciativa; mesas e cadeiras foram usadas para agredir os funcionários, algumas delas também foram jogadas na via, junto com vasos de planta que decoram o mezanino.
Parte da gare Roosevelt.
"Parte da gare Roosevelt."
Priscilla Z. gostou