Dicas rápidas Ver todas as dicas
Opinião em destaque

Kekanto&FreeWalker em:
A caminha etílica parte 4
Pra quem viu minhas opiniões do auditório Araújo Viana e depois da locadora Zil Vídeo, logo brique da redenção vai entender melhor a história. Após falar um pouco do brique, nossa líder Celina, KEKANTO, nos brindou com uma cervejinha, se bem me lembro da marca Colonial, muito boa por sinal, o lugar do brinde foi esse com um nome meio suspeito, Zé do passaporte, a história por trás deste lugar não é que antigamente eram vendidos passaportes falsos, mas sim um lugar onde se vendia cachorro quente, cuja havia um molho que lhe dava acesso ao inferno, ou seja, passaporte para inferno de acordo com um dos free walkers, hoje me parece um bar normal, mas saber que ali foi a primeira "banquinha do cachorro quente de poa" tipo um cachorro do bigode ou do rosário dos anos 70 rsrs, acho que é anos 70! `bem legal esta história! O bom mesmo foi a cervejinha, curtinho colegas estrangeiros Australianos, pois é época de copa do mundo no Brasil Alias tinham vários deles aqui em poa, pois jogariam contra a Holanda!

A história continua, procurem por Sim Sala bin!

O que tem de bom: uma história bem original, vale a pena conferir o lugar!
O que tem de ruim: É um lugar pequeno apenas.
Qoe tem ao redor: floricultura ao lado, outras lancherias, até um restaurante japonês perto e claro, redenção e brique pertinho!
avaliações recomendadas
   
Selecione uma nota

Bom, conheci o Zé do Passaporte durante o Free Walk que eu fiz no bairro Bom Fim e, apesar de não ter tido ainda o prazer de saborear o cachorro quente da primeira carrocinha de cachorro quente de Porto Alegre, conheci um pouco mais da história desse estabelecimento e tomei uma cerveja original extremamente gelada, mas no ponto para ser degustada. O nome do lugar não está relacionado com aqueles passaportes de viagem, mas sim com o molho, pois de tão forte que era, o cachorro quente se tornava um passaporte para o inferno. MwAahahahahaha
Recomendo e voltarei para conhecer o cachorro quente que me levará para a terra do diabo e talvez consiga o Chirrin Chirrion do mesmo.
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.

Kekanto&FreeWalker em:
A caminha etílica parte 4
Pra quem viu minhas opiniões do auditório Araújo Viana e depois da locadora Zil Vídeo, logo brique da redenção vai entender melhor a história. Após falar um pouco do brique, nossa líder Celina, KEKANTO, nos brindou com uma cervejinha, se bem me lembro da marca Colonial, muito boa por sinal, o lugar do brinde foi esse com um nome meio suspeito, Zé do passaporte, a história por trás deste lugar não é que antigamente eram vendidos passaportes falsos, mas sim um lugar onde se vendia cachorro quente, cuja havia um molho que lhe dava acesso ao inferno, ou seja, passaporte para inferno de acordo com um dos free walkers, hoje me parece um bar normal, mas saber que ali foi a primeira "banquinha do cachorro quente de poa" tipo um cachorro do bigode ou do rosário dos anos 70 rsrs, acho que é anos 70! `bem legal esta história! O bom mesmo foi a cervejinha, curtinho colegas estrangeiros Australianos, pois é época de copa do mundo no Brasil Alias tinham vários deles aqui em poa, pois jogariam contra a Holanda!

A história continua, procurem por Sim Sala bin!

O que tem de bom: uma história bem original, vale a pena conferir o lugar!
O que tem de ruim: É um lugar pequeno apenas.
Qoe tem ao redor: floricultura ao lado, outras lancherias, até um restaurante japonês perto e claro, redenção e brique pertinho!

Descobrir sobre a História, é sempre legal, ainda mais quando você não é da cidade, conhecer o Zé do Passaporte foi assim além da ótima cerveja que bebemos, descobrimos uma curiosidade que pra muitos pode ser irrelevante, mas contada pelo free Walke se torna, muito legal, o Zé foi a primeira carrocinha de lanche de porto Alegre, ai para não ser esquecido, fizeram esse poit no mercado do bom fim pra ninguém esquecer dele, faz parte da História,
Primeira opinião do lugar

O Zé do Passaporte é tradicional no Bairro Bom Fim. Existe a milhões de anos. Antes de ficar ali nas imediações da Redenção em uma loja comercial, ele era um trailler.

Lembro quando eu era pequena, que minha mãe às vezes ia lá buscar um cachorro-quente para comer em casa com a gente. Altas recordações!

Esses tempos estive lá para comer um cachorro-quente e gostei bastante. Estava com bastante queijo, como eu adoro!

O atendimento ali é nota 10! As moças que me atenderam nesse último sábado são simpáticas demais. É uma boa opção: Boa e barata!
Foto opinião do Celina Lopes Fortes sobre Zé do Passaporte
Você conhece o Zé do Passaporte? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)