Dicas rápidas Ver todas as dicas
Opinião em destaque

Assim que comecei a planejar nossa viagem para Recife eu só tinha uma certeza: Teríamos que reservar um jantar no Wiella Bistrô, o roteiro seria feito com base nesta confirmação.

Minha curiosidade estava ancorada principalmente na fama do chef Claudemir Barros e de sua culinária, uma fusão de diversas técnicas com os ingredientes nordestinos.

Chegado o grande dia, ou melhor, a grande noite, seguimos para o Shopping da Decoração, na zona sul da cidade.

O Wiella tem uma área externa onde os clientes ficam esperando um lugar ou então degustando um dos mais de 230 rótulos da adega. Como tínhamos reserva fomos direto para área interna do restaurante.

O ambiente climatizado é romântico e aconchegante, com decoração sóbria, luz baixa e música instrumental.

O que mais nos chamou a atenção foi a árvore seca, posta no salão principal, fugindo do estilo clássico predominante no restaurante.

O atendimento foi de excelência em todos os sentidos, um equilíbrio muito raro entre gentileza e profissionalismo. Nada foi feito sem o nosso consentimento, aqui não teve aquilo de chegar couvert sem pedirmos ou reposição de garrafas de bebidas sorrateiramente.

A carta de vinhos chega primeiro, depois que pedimos as bebidas vem o menu.

O Couvert é servido com uma seleção de pães, manteiga e um creme de tomate seco divino! – R$ 7,50 (06/2015) –

Escolhemos o Menu Degustação de 6 Etapas e deixamos os pratos nas mãos do chef Claudemir Barros. – R$ 160,00 (06/2015) –

Eu adoro menu degustação estilo “menu confiança” é onde temos a oportunidade de conhecer a maior quantidade de pratos possíveis de nossos chefs preferidos, a chance deles nos surpreender.

E fando em surpreender, o primeiro passo já foi impactante: Creme de parmesão, espaguete de palmito pupunha e haddock defumado.

Prato perfeito, o haddock é tipo um bacalhau e estava na medida correta do defumado, valorizando a carne branca do peixe e o espaguete de pupunha, bem fininho e saboroso.

Na continuidade veio um Rocambole de abóbora com camarão e espuma de coentro. Este prato tem um “sabor verde”, o camarão tem seu papel de destaque, mas o sabor do coentro predomina.

O próximo foi o Chambaril Vegetariano. Neste prato o tradicional ossobuco, chamado em Recife de chambaril devido ao corte ser um pouco menor do que o tradicional, é feito de forma totalmente diferente. Neste exemplar de arte gastronômica e cozinha molecular o mestre Claudemir Barros transforma uma batata em osso, o umbu se torna o tutano e a carne é feita de caju.

A sequência continua com um Ravioli de rabada. Um prato ítalo-pernambucano de sabor intenso.

O último prato salgado foi Carré de cordeiro, manjericão, jenipapo e caroço de jaca. O visual caprichado dos pratos do Wiella Bistrô impressionam, é de comer com olhos!

Claro que a sobremesa seguiu na mesma linha dos pratos quentes, fomos apresentados a um doce feito com caju cozido, recheado com um creme do próprio caju, calda de frutas vermelhas e sorvete de canela. Mais regional impossível! Mais exótico, impossível também!

O Wiella Bistrô foi uma das experiências gastronômicas mais incríveis que tivemos em Recife. É de uma grandeza inimaginável ter o chef Claudemir Barros preparando um menu confiança tão especial quanto o que tivemos a honra de experimentar.
avaliações recomendadas
   
Selecione uma nota
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.

Assim que comecei a planejar nossa viagem para Recife eu só tinha uma certeza: Teríamos que reservar um jantar no Wiella Bistrô, o roteiro seria feito com base nesta confirmação.

Minha curiosidade estava ancorada principalmente na fama do chef Claudemir Barros e de sua culinária, uma fusão de diversas técnicas com os ingredientes nordestinos.

Chegado o grande dia, ou melhor, a grande noite, seguimos para o Shopping da Decoração, na zona sul da cidade.

O Wiella tem uma área externa onde os clientes ficam esperando um lugar ou então degustando um dos mais de 230 rótulos da adega. Como tínhamos reserva fomos direto para área interna do restaurante.

O ambiente climatizado é romântico e aconchegante, com decoração sóbria, luz baixa e música instrumental.

O que mais nos chamou a atenção foi a árvore seca, posta no salão principal, fugindo do estilo clássico predominante no restaurante.

O atendimento foi de excelência em todos os sentidos, um equilíbrio muito raro entre gentileza e profissionalismo. Nada foi feito sem o nosso consentimento, aqui não teve aquilo de chegar couvert sem pedirmos ou reposição de garrafas de bebidas sorrateiramente.

A carta de vinhos chega primeiro, depois que pedimos as bebidas vem o menu.

O Couvert é servido com uma seleção de pães, manteiga e um creme de tomate seco divino! – R$ 7,50 (06/2015) –

Escolhemos o Menu Degustação de 6 Etapas e deixamos os pratos nas mãos do chef Claudemir Barros. – R$ 160,00 (06/2015) –

Eu adoro menu degustação estilo “menu confiança” é onde temos a oportunidade de conhecer a maior quantidade de pratos possíveis de nossos chefs preferidos, a chance deles nos surpreender.

E fando em surpreender, o primeiro passo já foi impactante: Creme de parmesão, espaguete de palmito pupunha e haddock defumado.

Prato perfeito, o haddock é tipo um bacalhau e estava na medida correta do defumado, valorizando a carne branca do peixe e o espaguete de pupunha, bem fininho e saboroso.

Na continuidade veio um Rocambole de abóbora com camarão e espuma de coentro. Este prato tem um “sabor verde”, o camarão tem seu papel de destaque, mas o sabor do coentro predomina.

O próximo foi o Chambaril Vegetariano. Neste prato o tradicional ossobuco, chamado em Recife de chambaril devido ao corte ser um pouco menor do que o tradicional, é feito de forma totalmente diferente. Neste exemplar de arte gastronômica e cozinha molecular o mestre Claudemir Barros transforma uma batata em osso, o umbu se torna o tutano e a carne é feita de caju.

A sequência continua com um Ravioli de rabada. Um prato ítalo-pernambucano de sabor intenso.

O último prato salgado foi Carré de cordeiro, manjericão, jenipapo e caroço de jaca. O visual caprichado dos pratos do Wiella Bistrô impressionam, é de comer com olhos!

Claro que a sobremesa seguiu na mesma linha dos pratos quentes, fomos apresentados a um doce feito com caju cozido, recheado com um creme do próprio caju, calda de frutas vermelhas e sorvete de canela. Mais regional impossível! Mais exótico, impossível também!

O Wiella Bistrô foi uma das experiências gastronômicas mais incríveis que tivemos em Recife. É de uma grandeza inimaginável ter o chef Claudemir Barros preparando um menu confiança tão especial quanto o que tivemos a honra de experimentar.

via Android

****Boa noite Marina ! Tudo bem linda.
No Wiella Bistrô, a comida é toda inspirada na cozinha francesa e além disso, tem uma maravilhosa cartela de vinhos.. precisa esperimentar...

Um dos restaurantes para se degustar uma culinária diferente.


..

Primeira opinião do lugar

Famoso pela sua extensa e excelente carta de vinhos, o Wiella é um dos bistrôs mais conhecidos e comentados de Recife. Ambiente bastante agradável, comida excelente e o atendimento muito bom. Sem dúvidas, está entre os cinco bistrôs mais lembrados de Recife.
Você conhece o Wiella Bistrô? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)