Nas barracas, pode-se encontrar de tudo: frutas, verduras, carnes, peixes, sementes e cereais, além dos tradicionais sanduíches de mortadela e pastéis de bacalhau.

O Mercado Municipal Paulistano foi construído para substituir o mercado velho que ficava na rua 25 de Março, local onde os comerciantes vendiam seus produtos ao ar livre. Hoje, nas barracas do municipal pode-se encontrar de tudo: frutas, verduras, carnes, peixes, sementes e cereais, além dos tradicionais sanduíches de mortadela e pastéis de bacalhau.

Oferta

Quer receber ofertas do(a) Mercado Municipal Paulistano?

No Kekanto os donos de estabelecimentos podem publicar cupons de descontos para todos os seus consumidores.

Baixe grátis nosso aplicativo e confira as ofertas:

Escolha seu celular:      
Divulgue seu estabelecimento aqui
Saiba como

Estabelecimentos neste local

Filtrar: Todos A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z 0-9
Dicas rápidas Ver todas as dicas
avaliações recomendadas
Nosso sistema de inteligência artificial recomenda automaticamente as opiniões com maior probabilidade de serem relevantes a você. Ele leva em conta diversos fatores como, por exemplo, a qualidade de texto e fotos, e o histórico de publicações do autor. Apenas as avaliações recomendadas são levadas em conta na avaliação geral do estabelecimento.
   
Selecione uma nota

Um dos mais famosos pontos turísticos de São Paulo!
Fica na região central, perto da 25 de Março, e bem próximo ao metrô São Bento. Aliás, a dica é nunca ir de carro. Zona Azul no pátio do Mercadão tem fila de horas nos finais de semana, e estacionamento não sai por menos de R$25. Resumindo, se puder vir de metrô, vai se incomodar bem menos.
O Mercadão apesar de super antigo está muito bem conservado, se comparado com outros mercados públicos que já visitei. Há uma infinidade de stands vendendo desde carnes e frutos do mar, até frutas exóticas e produtos importados. Tudo de boa qualidade, porém com um precinho para turista ver. Muito cuidado com vendedores de frutas oferecendo um pedacinho. São tão bons vendedores que quando você vê, você acabou de concordar em comprar uma fruta que mais parece uma laranja mas que custa 30 reais hahaha
Gosto de ir no Mercadão para comer. Para mim, os destaques são o sanduíche do Hocca Bar e o pastel do Bar do Mané. Ambos, nota 10!
Resumindo, um bom passeio para turistas e mesmo para quem é de São Paulo!
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.
O mercado Municipal tem uma estrutura arquitetônica belíssima e uma variedade de alimentação desde ervas, frutas, legumes, queijos, artesanato e os famosos lanches de mortadela. Toda fez que vamos ao catavento realizamos a nossa refeição no mercado municipal, e saboreamos os lanches de mortadela, principalmente dos restaurantes que fica no piso superior, mas é muita gente o dia inteiro, e os garçons ficam naquela correria. E quem entra ali não tem como acaba gastando alguma coisinha. Na cidade de Ribeirão temos os Mercados Municipais, mas estão longe do estilo do Mercadão de São Paulo. Outra coisa é que fica ao lado da 25 de março, então tem muita gente que fez compra por ali e faz a opção de realizar alguma refeição no mercadão.

Alguns amigos de outro estado do Brasil me pediram opinião do Mercadão de São Paulo, então resolvi escrever:
O mercadão é simplesmente fantástico, você pode comer o famoso e delicioso pastel de bacalhau (que é gigante), comprar frutas frescas que são excelentes (além da qualidade e tamanho).
Os frutos do mar, sempre frescos e com preços muito competitivos, além de ser possível dar "uma boa negociada".
O bacalhau tem o melhor preço de São Paulo, além da qualidade dispensar comentários.
Para terminar, a quantidade e qualidade dos temperos vendidos são incríveis, com certeza, não encontramos esta facilidade em nenhum outro local em São Paulo.

Alguns amigos de outro estado do Brasil me pediram opinião do Mercadão de São Paulo, então resolvi escrever:
O mercadão é simplesmente fantástico, você pode comer o famoso e delicioso Pastel de Bacalhau (que é gigante), comprar frutas frescas que são excelentes (além da qualidade e tamanho).
Os frutos do mar, sempre frescos e com preços muito competitivos, além de ser possível dar "uma boa negociada".
O bacalhau tem o melhor preço de São Paulo, além da qualidade dispensar comentários.
Para terminar, a quantidade e qualidade dos temperos vendidos são incríveis, com certeza, não encontramos esta facilidade em nenhum outro local em São Paulo.
Um dos lugares mais conhecido da cidade de São Paulo, um dos pontos turísticos mais visitados da cidade, o mercado municipal de São Paulo é ícone da cultura paulistana.
Um construção bem antiga e bem conservada, quem vai mercadão uma vez, sempre fica com saudade voltar.
O mercado municipal conta com diversas tendas, lojas, e bares e lanchonetes com seus famosos lanches de mortadela e o pastel de bacalhau.
Quando eu fui, eu comi no Mortadela Brasil, gostei muito do lanche e do pastel, achei que valeu a pena.
É possível ir de metro, descendo na estação São Bento, o mercado é próximo da rua 25 de Março.
Recomendo a todos uma vez na vida visitar o Mercado municipal.
Um dos pontos turísticos mais importantes da cidade de São Paulo, até por conta da fama de Pólo Gastronômico, é natural que muitos visitem o Mercado Municipal, afinal é aqui que os grandes chefes (supostamente) adquirem de seus principais fornecedores os produtos de primeira qualidade para nos oferecerem seus melhores pratos, e realmente no mercado encontramos produtos de primeira com os preços compatíveis.
Em minha última visita na sexta-feira (no dia do cozinheiro) e constatei que a Ki-Pesca, que é a maior peixaria da américa Latina, abriu a Casa das Ostras em ago/2011, levando seus produtos frescos como ostras servidos de 9 maneiras diferentes, além de caldinhos de sururu, piranha, etc e temakis e sushis além de pratos a base de peixe, claro e salgadinhos, uma proposta muito interessante, mas não tão democrática como acontece em Niterói com os produtos do mercado de Peixe, preparados por 6 estabelecimentos no andar superior por um precinho bem camarada, mas é uma bela proposta.
Um dos produtos que acho mais caro no local, são as frutas e devo dizer que apesar da boa qualidade, existem outros fornecedores com a mesmo ou melhor qualidade, eles deveriam perceber isso, mas é opção para quem faz questão de comprar lá.
Existem muitos empórios que vendem especiarias de várias culinárias, além de temperos e especiarias que um dia foram motivo de grandes viagens e até guerras para obte-los. Em se tratando de especiarias, prefiro atravessar o rio Tamanduateí e me dirigir a zona cerealista da rua Mercúrio e seu entorno, bem mais em conta.
Fiz lanche no Hocca bar, mas não curtí tanto o pastel de bacalhau, grande sim, gostoso sim, mas nenhuma coisa que estimulasse minhas papilas gustativas.
Existem 2 bolsões interno de estacionamento zona azul, um na lateral na rua Mercúrio e outro maior com acesso pela rua comendador Assad Abdala, e um bolsão externo com 300 vagas na praça São Vito onde existiam os edifícios São Vito e Mercúrio derrubadas pelas prefeitura a partir de 2010 e concluídos em 2011 que fica na Avenida do Estado, esquina com a rua Mercúrio.
Os sacoleiros de plantão, precisam ir no Mercadão para experimentar o famoso e delicioso pastel de bacalhau! Além de conseguir experimentar uma variedades de frutas antes de comprar. Produtos de qualidade e um bom lugar para levar a família e amigos. Preciso voltar o mais rápido! Passeio agradável.

Parte 1:

O Mercadão é o paraíso da gastronomia. Qualquer cozinheiro, comilão ou degustador amador que se preze fica completamente alucinado quando passeia entre os corredores do mais pitoresco e encantador entreposto do país. São ao todo 272 estandes, onde nos deparamos com uma inacreditável diversidade de frutas, verduras, legumes, vinhos, queijos, chocolates, carnes, peixes, frutos do mar, aves, embutidos, temperos e condimentos.

O majestoso prédio do Mercado Municipal de São Paulo, feito em mais de 12 mil m2 no estilo neoclássico e cheio de vitrais, começou a ser construído em 1928, mas foi inaugurado, com merecida pompa, em 1933, no aniversário da cidade. No entanto, foi a reforma do início deste século que lhe devolveu o charme perdido ao longo dos tempos, iluminando e arejando seu espaço, criando um mezanino para restaurantes e enchendo-o de turistas.

As frutas

Para brasileiros ou estrangeiros, o passeio deve começar – obrigatoriamente – pelas frutas. O que se vê por ali é um desvario, pouco difícil de descrever, mas certamente um show tanto para os olhos quanto para os paladares – especialmente os mais atrevidos. Esqueça tudo aquilo que estamos acostumados a ver nas feiras, e que já é um deslumbre para os estrangeiros, como laranjas, maracujás, kiwis, ameixas, abacaxis, morangos, melões, pêssegos, melancias, jacas e maçãs. Tudo isso tem lá, sim, aos montes e maravilhosos, mas é melhor reservar espaço para novas descobertas.

É hora de experimentar (e as bancas adoram distribuir amostras) frutas como granadilho, cajá, jambo, grapefruit, chirimoya, ingá, kino, umbú, abiu, longan, tamarillo, cambuci, buriti, camu-camu, físalis, rambutan, atemoia e vários tipos e cores diferentes de pitaya. Vale provar, por exemplo, o docíssimo sapoti, a atraente amora negra, o cultuado antioxidante mangostin ou o exótico canistel, conhecido como abacate caribenho, cuja polpa é tão amarela quanto uma gema de ovo.

Os queijos

Entre as muitas e tentadoras barracas de queijo presentes, cabe falar um pouco dos Queijos Roni, cuja história começa com a chegada do calabrês Pedro Talarico ao interior de Minas Gerais, onde começou a produzir laticínios em 1889, e chega ao Mercadão pelas mãos de sua filha, Josephina, em 1933. Sempre comandada pela família, a banca de queijos chegou às mãos de Roque Bruno Tadeu Peta, o Roni, que é bisneto do fundador, nos anos 90, e segue hoje com três bancas onde encontramos o queijo da família, hoje produzido em São Sebastião da Grama, em São Paulo. São 15 mil litros de leite por dia transformados em mussarela, provolone, ricota, meia-cura e curiosidades como o caciocavallo ou o butirro, que vem recheado de manteiga.

Massas, carnes, doces e especiarias

Entre as tantas bancas do Mercado, você encontrará maravilhas que, muitas vezes, só existem ali. É o caso das carnes do Rei dos Cabritos, espaço quase centenário criado pelo italiano Antonio Cavalieri, onde se acha cortes incomuns de cabrito, vitelo, cordeiro, javali, búfalo, faisão e outros, ou do octagenário Empório Chiappetta, criado pelo também italiano Carlos Chiappetta, que traz secos e molhados de várias partes da Europa, liderados pelo famoso bacalhau Gadus Morhua, vindo da Noruega.

Outra tentação das barracas são os doces, sejam eles os portugueses pastéis de Belém, oferecidos pela Dona Diva Doces, os libaneses ninhos de nozes e baklawas de pistaches, produzidos pelo Tio Ali Árabe, ou ainda as frutas secas, vendidas a granel por diversos fornecedores. E não dá para deixar de falar em pequenos luxos que fazem a felicidade de qualquer gourmet. Como não se encantar com os vinhos do Empório Luso Brasileiro, com as azeitonas agridoces da Barraca do Levi, as lingüiças da Banca do Pacheco, os pignoles do Empório Raga, o presunto Pata Negra da Jamoneira Santa Thereza ou mesmo as ovas de salmão e as trufas dos empórios mais sofisticados da cidade?

(continua...)

Visitar o Mercadão uma vez ao mês é quase que obrigatório.
Frutas de excelente qualidade, mas as vezes com precinhos salgados, então vale à pena pechinchar!
Para estacionar no próprio Mercadão é preciso paciência, então vale à pena deixar o carro nos estacionamentos que existem na Rua da Cantareira antes de chegar no Mercadão. Os estacionamentos não são caros e nem longes do Mercadão.
Se pretende comer sentado em alguma das lanchonetes, vá cedo. Praticamente todas lotam em horário de pico, mas absolutamente todas elas valem à pena.
Também não deixe de visitar as lojas de especiarias ... são sensacionais.
Os banheiros em geral são limpos.

Fazia muito tempo que eu não ia ao Mercadão, então preferi fazer uma nova visita para escrever a minha resenha.
De início já preciso dizer que acho que é um dos prédios mais bonitos de SP, arquitetado por Ramos de Azevedo. Uma construção imponente, com vários vitrais lindos de morrer. Ponto.
Soma-se a isso, o fato de lá serem vendidos produtos de ótima qualidade. São frutas, verduras, temperos, cereais, carnes, peixes, azeites, etc, etc, etc. Os preços são altos, mas mesmo que você não vá comprar nada, vale a pena parar nas bancas para conversar com os vendedores e experimentar e conhecer as novidades que sempre chegam primeiro por lá. Nessa última visita, parei em uma das bancas (que não lembro qual!! ) e fui atendida por um vendedor extremamente simpático, falante e um pouco confiado demais, como diria minha mãe..kkkkk, que me fez provar quase todas as frutas da banca.
Não estava aguentando mais tanta fruta!!
Provei caju, cereja, pitaya, e outras que nem lembro mais..hahaha! Sai de barriga cheia, mas comprar mesmo, só comprei uma bandeja de cajus, com 4 unidades que saiu por quase 20 reais (caro, mas estavam deliciosos!!).
Então, nem que seja só para um passeio bobinho quando estiver sem fazer nada, vale a pena passar por lá.
Ou então vá por um motivo melhor ainda: no mezanino há restaurantes e bares incríveis, onde você pode parar e tomar alguma coisa e provar os itens mais pedidos e falados de SP, como o lanchão de mortadela e o pastel de bacalhau, que são tradição no local.
Ou seja, não tem desculpa para você não ir conhecer ou revisitar sempre e sempre esse ponto turístico tão bacana.

Exibindo 14 opiniões | Total de 1026 opiniões
111 opiniões não são recomendadas
Você conhece o Mercado Municipal Paulistano? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)

Baixe grátis o app do Kekanto Escolha sua plataforma: