Em dois andares e mais de 600 metros quadrados funciona a Hot Hot, uma balada bem animada no centro de São Paulo. Toda a decoração traz um padrão gráfico inspirado nos anos 70. Lounge, bar, chapelaria, camarotes e uma grande pista de dança com mais de 8 mil LEDs no teto, produzindo um efeito bastante imersivo. Às quartas, o rock domina. De quinta à sábado, predominam as batidas eletrônicas.



Dicas rápidas Ver todas as dicas
Opinião em destaque

Já fui muitas vezes na Hot Hot. O espaço melhorou muito com os anos, porém as festas que acontecem lá decaíram um pouco. Sempre rola festa com bastante pop das antigas e que toca na rádio, o que atrai um público em sua maioria LGBT. A pista é espaçosa mas quando lota fica um pouco ruim. A casa possui dois andares, sendo somente o segundo da pista, então mesmo sem atingir sua lotação, a pista pode ficar intransitável. Os seguranças são todos legais e te ajudam no que for preciso. O pessoal do bar de cima também é legal, com uma ou outra exceção. O melhor é o teto de led da pista que faz um efeito de luz bem bacana em sincronia com as músicas! Os banheiros são unissex, e possuem cabines nos dois andares. Prefiro ir no do andar da pista, onde sempre há alguém reabastecendo papéis/sabonete e mantendo limpo. Apesar da última vez, três das cinco, cabines estarem sem luz. O banheiro de cima fica mais zoneado (e é mais longe), então mesmo no começo da festa não é bom. Há alguns sofás na laterais para os mais preguiçosos/desanimados. Até o fim da noite eles estão lotados com gente dançando, mas é uma boa para você descansar durante a noite. O ar condicionado é bom, mas já fui em festas que passei calor com tanta gente reunida. Na última em que fui, mês passado, estava com uma boa temperatura.

As bebidas são bem caras. Exemplo: R$15 uma long neck!! Então se não quiser estourar a comanda, é melhor fazer um esquenta antes. A área de fumantes é na rua mesmo. São bastantes caixas e quase sempre todos funcionam, o que não deixa o atendimento tão lento mesmo com muita gente.

O maior ponto negativo é a fila. Você pode ficar mais de uma hora esperando, dependendo do horário que chegar. E quando a casa começa a lotar, eles demoram ainda mais para liberar a entrada. A fila é enorme e se forma cedo, porque a maioria das festas dão vip até meia-noite, então ou você precisa chegar muito antes ou muito depois. Se puder, vá de carro! Para quem estaciona com o valet da casa (R$20), há uma fila exclusiva. Que também começa a lotar depois de 00h30, exatamente por conta desse detalhe.

Até gosto de ir, mas ultimamente só vou se não houver outra opção mesmo.
avaliações recomendadas

Já fui muitas vezes na Hot Hot. O espaço melhorou muito com os anos, porém as festas que acontecem lá decaíram um pouco. Sempre rola festa com bastante pop das antigas e que toca na rádio, o que atrai um público em sua maioria LGBT. A pista é espaçosa mas quando lota fica um pouco ruim. A casa possui dois andares, sendo somente o segundo da pista, então mesmo sem atingir sua lotação, a pista pode ficar intransitável. Os seguranças são todos legais e te ajudam no que for preciso. O pessoal do bar de cima também é legal, com uma ou outra exceção. O melhor é o teto de led da pista que faz um efeito de luz bem bacana em sincronia com as músicas! Os banheiros são unissex, e possuem cabines nos dois andares. Prefiro ir no do andar da pista, onde sempre há alguém reabastecendo papéis/sabonete e mantendo limpo. Apesar da última vez, três das cinco, cabines estarem sem luz. O banheiro de cima fica mais zoneado (e é mais longe), então mesmo no começo da festa não é bom. Há alguns sofás na laterais para os mais preguiçosos/desanimados. Até o fim da noite eles estão lotados com gente dançando, mas é uma boa para você descansar durante a noite. O ar condicionado é bom, mas já fui em festas que passei calor com tanta gente reunida. Na última em que fui, mês passado, estava com uma boa temperatura.

As bebidas são bem caras. Exemplo: R$15 uma long neck!! Então se não quiser estourar a comanda, é melhor fazer um esquenta antes. A área de fumantes é na rua mesmo. São bastantes caixas e quase sempre todos funcionam, o que não deixa o atendimento tão lento mesmo com muita gente.

O maior ponto negativo é a fila. Você pode ficar mais de uma hora esperando, dependendo do horário que chegar. E quando a casa começa a lotar, eles demoram ainda mais para liberar a entrada. A fila é enorme e se forma cedo, porque a maioria das festas dão vip até meia-noite, então ou você precisa chegar muito antes ou muito depois. Se puder, vá de carro! Para quem estaciona com o valet da casa (R$20), há uma fila exclusiva. Que também começa a lotar depois de 00h30, exatamente por conta desse detalhe.

Até gosto de ir, mas ultimamente só vou se não houver outra opção mesmo.
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.

Eu gosto muito dessa balada. Por mais que falem que é "pobrinha", eu gosto do ambiente e da vibe, o misto de músicas, do funk, ao rock, ao pop. Sempre pirei muito. Adoro as bebidas de lá, os bar man's são ótimos e fazem uns drinks maravilhosos. Nada de enjoativo. O preço é ótimo, com 70 reais você curte a noite toda. Só tomem cuidado com a chapelaria de lá, eu não sugiro deixar suas coisas lá, levem o necessário e guardem com vcs.

Fui apenas uma vez nesta balada há uns três anos, e achei a cara da riqueza... muito bonita e cool!

Aquele corredor da entrada cheio de luzes led brancas contrastando com o fundo preto e as paredes com aquela estampa linda e retrô na área onde ficam os bancos para a galera sentar são muito descolados... mas o melhor mesmo é a luz da pista de dança, até então nunca tinha visto nada parecido... adorei! O ar condicionado funcionava em todos os ambientes... o único problema era aquela escada de acesso à pista no piso inferior: um dos nossos amigos tem restrições de mobilidade e foi bem complicado para ele subir e descer... acho que uma vez ele quase caiu e alguém o segurou para que isso não acontecesse.

O banheiro era todo preto e eu particularmente não gosto, pois não dá para sentir limpeza, manjam... a bebida era carinha, mas a gente já tinha feito um 'esquenta' na padoca ali perto... então nem consumimos muito.

Público bonito que nivelava com a idade da minha galera... obviamente que a beleza era por minha conta, rs... volto sim, é só me chamar para o rolê... ;-)

A Hot Hot chegou cheia de novidades em sampa: som ultramoderno, que permitiria conversar mesmo com o som da balada, cartões de fidelidade com créditos, guarda-volumes em formato de lockers, drinks com sorvetes, led por toda a pista de deixar qualquer um encantado, ocupação do centro da cidade num roteiro alternativo de baladas de sampa, banheiros mistos elegantes (com globos no teto) etc.

Dessa proposta muita coisa já mudou, outras tornaram-se clássicas. Uma delas é o esperado, a balada deixou de ser da moda, abriu as pernas e agora é mais barata, com isso a manutenção da casa sofre, tanto no som, quando na beleza dos carpets do piso superior, os lockers etc.

Já foi das melhores noites de eletrônico de quinta-feira rivalizando com o sonique no público gls das quintas de sampa.

Hoje abriga noites fixas diversas: rock, eletrônica, pop, gls, nacional. E outras especiais com convidados da cena eletrônica (foco inicial da casa para rivalizar com o D-edge).

As bebidas são doces, mas boas, acho que ficaram meio caras pros padrões atuais da casa. Odeio a parceria com a Itaipava que vende essa cerveja quase como exclusividade da casa (atualmente tem Heinekein no cardápio).

O staff é muito bom, da hostes aos barman (uma raridade), sem contar a animadíssima Sula que faz a limpeza da casa (a melhor funcionária de balada desde a Rita da A Lôca), merece um bônus por tornar as noites mais divertidas com suas danças entre uma varrida e outra.

A localização é ótima, pertíssimo dos ônibus da 9 de julho, da augusta e dos metrôs do centro. E ainda rola um after digno na padoka da frente, ou até um esquenta como já fiz muito nos tempos de ouro da casa.

Vale dizer que se eu tivesse escrito sobe a Hot Hot nos seus tempos de ouro, teria dado 4 estrelas, hoje porém, é somente mais uma das alternativas nas noites cada vez mais impessoais de São Paulo.
Entrada da Hot Hot
"Entrada da Hot Hot"

A hothot foi a primeira balada que eu fui, assim que completei 18 anos (é, não usei r.g falso rs).
O ambiente é INCRÍVEL, a pista é simplesmente única, me encantei logo de cara. As pessoas, pessoas bonitas, de diferentes classes sociais, de diferentes lugares de são paulo.. todas as vezes que eu fui conheci pessoas muito legais, algumas que são minhas amigas até hoje. Pensei que era só encantamento por ser a primeira, mas quando ia em outras sempre pensava: er, aqui não é a hothot.
Com o tempo a qualidade foi abaixando um pouco, algumas festas eram pra só um tipo de pública:
ou só gays, ou só patricinhas, ou só "manos", o que acabou um pouco com o que eu mais gostava lá, a diversidade.
Ainda assim, é um ótimo lugar, os valores de entrada não são caros (sempre variam entre 20 a 40 mulher e 40 a 60 homem, as vezes só entrada, as vezes consumação).
Vale MUITO a pena.
Como toda balada em SP, os drinks são caros, se você pretende beber bastante, é recomendado fazer aquele esquenta em algum outro lugar, ou na própria fila.

via Android

Tequila sunrise, como Vi em outra opinião. Curtição , dance sem parar que a noite vai longe! Não sou gay, mas isso não é e nunca foi pré requisito para curtir a festa! Leve azamiga e caia na night que é sucesso
Foto opinião do Marina Jerez Sant'Ana sobre Hot Hot

Para todo e qualquer tipo de publico. Já fui com meu primo e com amigos algumas vezes e nunca me arrependi. Apesar do lugar sem um pouco pequeno, é perfeito para pessoas que não gostam de andar muito e aproveitar cada espaço sem se perder dos amigos!
A música é boa e assim o acústico da casa.
Sempre que tenho oportunidade vou..
O que a casa tem de bom, o atendimento não é lá essas coisas.
Mas, se quer aproveitar a noite paulistana, se for na Hot hot não rolará decepção.
E a limpeza fica por conta de uma figurassa que não se encontra em qualquer lugar!

Não curti nem um pouco! Fui uma vez pra nunca mais! A balada é toda confusa.. nas fotos ela parece ser bem legal, mas olhando lá dentro não é nada que impressione.. Não curti muito o som! Fora a demora e a fila! Era pra casa abrir onze horas, foi abrir meia noite e meia! Isso porque os Vips das mulheres só duravam até meia noite.. fui conseguir entrar uma e quarenta e cinco da manhã! Não tem lugar pra fumantes, ficam todos amontoados do lado de fora.. Fui uma vez só e não pretendo voltar!

via Android

Não sei se foi o dia em que escolhemos ir, a vibe, etc. Só sei que dancei muuuito na Hot Hot. E quando eu queria ir embora, dava não! ;-) Mais uma música das boas tocava. Na real, fomos na festa Tiger Robocop, que só toca anos 90, temos de escola total! Ouvimos desde Backstreet Boys, Alexia e Shakira, nos tempos em que ela ainda era hippie. Mas, deixemos a festa de lado para falar sobre a casa em si.

Primeiro ponto de extrema importância! Vocês vão conhecer a Sula, a zeladora do local. Tá, e o que isso tem de mais? Ah, dá uma vassoura pra ela pra você ver... Ela dança ensandecidamente. Se encontrá-la no banheiro, ela vai começar um papo louco enquanto testa uns passinhos doidos. Se encontrá-la na pista, vai te atropelar, só no "remelexooo" (tenho que usar esta expressão muito old school!). E, se vê-la no palco, ah, pode anotar: vai dar um show! A Sula é o Q a mais da Hot Hot!

Agora, o ambiente: é ANIMAL! Aliás, a coisa que mais curti na casa mesmo. A entrada é um túnel de luzes craaazy. Lá dentro, onde tem o bar e muitos pufes, toda a pintura na parede, chão e pufes segue a mesma arte: desenho de ondas com cores fortes meio psicodélicas. Dá até vertigem. E, lá embaixo, você desce uma escadaria que dá acesso à pista de dança, com o teto de LED muito show. Ah, atenção: na escada há um esquema para cadeirantes!!! Um estava com a gente se divertindo lá na pista.

Perde alguns pontinhos por detalhes: 1) A carta de drinques é grande, mas achei todos muito caros e doooces demais. 2) Não sei o que acontece com o sistema de som da casa, mas, naquele dia, houve alguns problemas com as caixa, #chato. 3) Banheiros mega escuros...Imagina alguém bebaço tentando fazer xixi lá? Deve acertar tudo menos o vaso! hahahah

Resumindo, é uma baladinha alternativa, boa pra dançar, no centro de Sampa, fácil acesso e muito legal, apesar dos probleminhas. Não achei a balada mais alternativa ever de lá, mas vale à pena!

A casa é linda, a decoração chama muito a atenção. O Público que frequenta (ao menos nas noites que é direcionado a galera GLS) é bonito, alto astral e estiloso.
Não tenho do que reclamar do atendimento (deve ser porque bato carteira lá tem mais de um ano já, todos os finais de semana) porque sempre é rápido e as bebidas são ótimas.
Quanto ao detalhe a mais da casa, com toda a certeza é a presença da Sula e seus bordões (chatiada meu bem, chatiada).
Recomendo muito.
Primeira opinião do lugar

Ambiente psicodélico, bem style e meio alternativo. Há um espaço para descansar e um bar no térreo; a pista fica no subsolo, pra quem não sabe beber, descer dois lances curtos de escadas pode ser complicado, mas não vi ninguém cair numa noite Open Bar. Ah, o banheiro é unissex...
Exibindo 14 opiniões | Total de 29 opiniões
Você conhece o Hot Hot? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)