Denkmal für die ermordeten Juden

nota 4.7 de 5 em 3 opiniões
|

Monumento



Opinião em destaque

via Android

O Memorial em homenagem ao judeus mortos durante a segunda guerra mundial rendeu uma boa polêmica para se acordar como poderia-se representar tamanha tragédia. O resultados são blocos justapostos não alinhados e de variados tamanhos. A impressão que dá é que são caixões. A percepção da obra varia de pessoa para pessoa e depende do momento do dia é estação do ano que ela é contemplada.
avaliações recomendadas
   
Selecione uma nota

via Android

O Memorial em homenagem ao judeus mortos durante a segunda guerra mundial rendeu uma boa polêmica para se acordar como poderia-se representar tamanha tragédia. O resultados são blocos justapostos não alinhados e de variados tamanhos. A impressão que dá é que são caixões. A percepção da obra varia de pessoa para pessoa e depende do momento do dia é estação do ano que ela é contemplada.
Memorial
"Memorial"
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.

via Android

Bem próximo ao portão de Brandenburger, localiza-se o Memorial do Holocausto. E dividido em duas partes, na parte de cima são mais de duas mil formas de concreto que dão a impressão de um cemitério e na parte subterrânea varias painéis contando a história de como foi o extermínio de milhões de judeus pelos nazistas e fotos contando a historia de familias judias. A entrada é grátis, e é cobrado 4 euros somente de quem quiser usar o audio-guia (inclusive em Português).
Primeira opinião do lugar

O Memorial dos Judeus Mortos na Europa (ou Memorial do Holocausto) fica a uma quadra do Portão de Brandemburgo.

A primeira vista da obra impressiona, pois parece um enorme cemitério sem nomes: há blocos de concreto de diversas alturas e é possível caminhar entre eles, o que causa muito desconforto e inquietação... justamente a intenção do autor do projeto, o arquiteto Peter Eisenman.

Bem abaixo dessa obra existe um anexo que conta toda a história da perseguição sofrida pelos judeus europeus. A fila é bem grande dependendo do horário que se pretende visitá-lo: nós ficamos uns 40 minutos porque coincidiu de ser a mesma hora que várias excursões de estudantes também entrariam.

Existem folhetos disponíveis nas mais variadas línguas, inclusive em português: bem legal para entender toda a setorização do lugar. Primeiramente há um painel com textos ilustrados e diversas imagens com toda a história da perseguição, do começo ao fim... fotos terríveis e impressionantes, mas é totalmente necessário ler e ver para entender as outras salas.

Há diversos espaços: uma sala preta sem iluminação onde são projetados os nomes de todos os nomes dos judeus mortos que se tem conhecimento; em outra sala tem painéis com a história dos campos de concentração mais conhecidos, e um banquinho e telefone bem ao lado, para quem quiser sentar e ouvir a narração da história de judeus que viveram neles; um outro espaço tem a história de uma família judia, em cada país que corroborou com o nazismo; e há uma sala com trechos de cartas de judeus para seus parentes... essa foi a pior de todas para mim: ao ler o trecho de uma carta, não aguentei e chorei muito ao imaginar o desespero de quem a escreveu. Há outros espaços que ficarão por conta de quem for até Berlim visitar o Memorial.

Lá existe a possibilidade de pesquisas para quem quiser fazer buscas de seus antepassados, e há também uma lojinha com muitos livros relacionados ao assunto, além de souvenirs da cidade de Berlim.

Há audioguias disponíveis para aluguel, mas não em língua portuguesa. O toilette era limpo e também tinha bebedouro.

Desejo sorte para aos visitantes, e tomara que eles não encontrem essas excursões de estudantes juvenis como nós: calhamos de fazer a visita junto com uma excursão de franceses, e alguns idiotas gargalhavam, outros se abraçavam e beijavam, corriam fazendo gracejos de adolescente... achei o cúmulo da má educação e do respeito ao próximo, e o pior, os professores nem tomavam providências... no meu tempo de estudante aqui no Brasil a coisa era diferente; ai de quem não respeitasse as ordens dos professores em excursão... depois a gente que não sabe se portar no exterior... enfim.
Foto opinião do Juliana EugeniA Ribeiro sobre Denkmal für die ermordeten Juden
Você conhece o Denkmal für die ermordeten Juden? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)