Dicas rápidas Ver todas as dicas
Opinião em destaque

via Android

O Comuna, realmente, é um lugar diferente. É uma atmosfera atípica e bastante intimista, ideal para quem procura um programa fora do comum, mas não é para a apreciação de todos, devo alertar.
O primeiro ponto importante é seguir o conselho que vários aqui já deram: chegue cedo. Eu apareci por lá por volta de umas 21,22 horas de um sábado, então não foi tão proveitoso assim, mas nem por isso me arrependi de conhecer e pretendo voltar com mais calma.

Realmente, o lugar é bem escondido, tanto que eu fiquei até com medo de estar entrando na casa de alguém hahaha não fosse o grande número de pessoas na porta eu não achava. E HAJA NÚMERO DE PESSOAS. O Comuna enche mesmo, mas as pessoas não parecem se importar muito em simplesmente curtir por ali em pé mesmo, tomando uma cerveja ou um drink e batendo papo com os amigos, o que eu achei bem interessante. Inclusive, é possível curtir as demais atrações do lugar, como a galeria e o ateliê.

O espaço interno é realmente pequeno, deve ter no máximo uns 20 lugares sentados, mas é comum ver as pessoas de acomodando em qualquer lugar. De todo modo, no lado externo ainda tem um bancão de cimento com mesas improvisadas e mais algumas cadeiras que abriga alguns grupos maiores de amigos. Obviamente, pra conseguir sentar em alguma dessas opções é só chegando cedo mesmo, já que o lugar não faz reservas.

O público é jovem e bem alternativo, na faixa de uns 20, mas nada impede que outros grupos apareçam por lá. No dia que fui, tinha inclusive uma família com os filhos. Eu adorei essa atmosfera "largadona" do lugar e adorei as pessoas, mas obviamente que não é pra qualquer um. Se você busca um lugar descontraído com gente estilosa e papo cabeça, acho que seria o lugar ideal, mas está longe de se enquadrar nos moldes de um gastrobar em ipanema, por exemplo.

Mas falemos do principal e do motivo pelo qual minha ida valeu a pena: os burgers. Nem sei se foi o melhor que eu já comi, talvez nem tenha sido. Mas o Comuna conseguiu me surpreender, e em um prato que em que eu já me considerava expert e achava saber de tudo. É possível buscar um sabor diferenciado em um hambúrguer, e é por isso que eles levaram os prêmios que levaram. O ponto da carne é o ideal, bem grelhadinho por fora e macio, suculento e vermelhinho por dentro. E as combinações de sabores são sensacionais, sem falar do pão feito por eles mesmo, que tem um sabor maravilhoso. Eu provei o aclamado Rashomon (R$21) e aprovei (apesar de não ser muito fã de raíz forte) e meu namorado provou o Trash Humpers (R$25 de puro bacon, da carne ao molho), o qual também gostei bastante, apesar de preferir sabores mais suaves, portanto gostei mais do Rashomon.
Provei também o drink Paloma (R$18) e achei muito bem executado, os barmans são muito bons. Além disso, de vez em quando eles elaboram um drink sazonal, então é bom perguntar pra eles se tem alguma novidade no cardápio.

O atendimento, levando em conta a loucura que estava o lugar, era sensacional. O pessoal do bar foi muito prestativo comigo, arranjou um tempo pra explicar sobre os drinks e tudo. A comida também, proporcionalmente ao número de pessoas, veio bem rápido.

Eles não trabalham com comanda individual, mas é possível comprar diretamente do caixa sem dificuldade, então é grande o número de pessoas que ficam por lá, em pé mesmo, esperando a comida (eles tem senha pra saber que o pedido está pronto) e conversando com os amigos.

Coloco como ponto negativo o fato de não conseguir ouvir música nenhuma. Alguns haviam me dito que tocava um rock e tal como música ambiente, mas eu não consegui ouvir um acorde. Como pra mim isso é extremamente importante em um bar, me desanimou um pouco, tanto que desisti de comemorar meu aniversário por lá.

Apesar de não ter sido a melhor das experiências pra mim, definitivamente é um lugar a se conhecer, ainda mais porque os preços são convidativos, de um modo geral. E pra quem é fã de hamburger é IMPOSSÍIIIVEL não ter uma opinião formada sobre o de lá. Pra quem não curte essa agitação toda, recomendo ir na hora do almoço.

avaliações recomendadas
   
Selecione uma nota
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.

via Android

Muito bom, mas preferia quando era um lugar cool da cidade e não um fast food que o cheiro e a fila vão até a metade da rua. Sei lá, o rio é tão carente de coisa boa que o espaço ter virado um gourtzão não foi uma mudança que agradou a todos. E tem mais né... hambúrguer por 35 reais não existe. No segundo andar: a Bolha editora que é uma delícia, vale a pena explorar!
Foto opinião do Karol Moraes sobre Comuna

via iPhone

Um bom lugar pra tomar cervejas especiais. Recomendo o chopp weiss da casa custa uns 11 reais e é bastante saboroso.
O lugar vive lotado e como é pequeno forma fila então é importante chegar cedo as 6fs costuma já estar cheio às 19h30

via Android

O Comuna, realmente, é um lugar diferente. É uma atmosfera atípica e bastante intimista, ideal para quem procura um programa fora do comum, mas não é para a apreciação de todos, devo alertar.
O primeiro ponto importante é seguir o conselho que vários aqui já deram: chegue cedo. Eu apareci por lá por volta de umas 21,22 horas de um sábado, então não foi tão proveitoso assim, mas nem por isso me arrependi de conhecer e pretendo voltar com mais calma.

Realmente, o lugar é bem escondido, tanto que eu fiquei até com medo de estar entrando na casa de alguém hahaha não fosse o grande número de pessoas na porta eu não achava. E HAJA NÚMERO DE PESSOAS. O Comuna enche mesmo, mas as pessoas não parecem se importar muito em simplesmente curtir por ali em pé mesmo, tomando uma cerveja ou um drink e batendo papo com os amigos, o que eu achei bem interessante. Inclusive, é possível curtir as demais atrações do lugar, como a galeria e o ateliê.

O espaço interno é realmente pequeno, deve ter no máximo uns 20 lugares sentados, mas é comum ver as pessoas de acomodando em qualquer lugar. De todo modo, no lado externo ainda tem um bancão de cimento com mesas improvisadas e mais algumas cadeiras que abriga alguns grupos maiores de amigos. Obviamente, pra conseguir sentar em alguma dessas opções é só chegando cedo mesmo, já que o lugar não faz reservas.

O público é jovem e bem alternativo, na faixa de uns 20, mas nada impede que outros grupos apareçam por lá. No dia que fui, tinha inclusive uma família com os filhos. Eu adorei essa atmosfera "largadona" do lugar e adorei as pessoas, mas obviamente que não é pra qualquer um. Se você busca um lugar descontraído com gente estilosa e papo cabeça, acho que seria o lugar ideal, mas está longe de se enquadrar nos moldes de um gastrobar em ipanema, por exemplo.

Mas falemos do principal e do motivo pelo qual minha ida valeu a pena: os burgers. Nem sei se foi o melhor que eu já comi, talvez nem tenha sido. Mas o Comuna conseguiu me surpreender, e em um prato que em que eu já me considerava expert e achava saber de tudo. É possível buscar um sabor diferenciado em um hambúrguer, e é por isso que eles levaram os prêmios que levaram. O ponto da carne é o ideal, bem grelhadinho por fora e macio, suculento e vermelhinho por dentro. E as combinações de sabores são sensacionais, sem falar do pão feito por eles mesmo, que tem um sabor maravilhoso. Eu provei o aclamado Rashomon (R$21) e aprovei (apesar de não ser muito fã de raíz forte) e meu namorado provou o Trash Humpers (R$25 de puro bacon, da carne ao molho), o qual também gostei bastante, apesar de preferir sabores mais suaves, portanto gostei mais do Rashomon.
Provei também o drink Paloma (R$18) e achei muito bem executado, os barmans são muito bons. Além disso, de vez em quando eles elaboram um drink sazonal, então é bom perguntar pra eles se tem alguma novidade no cardápio.

O atendimento, levando em conta a loucura que estava o lugar, era sensacional. O pessoal do bar foi muito prestativo comigo, arranjou um tempo pra explicar sobre os drinks e tudo. A comida também, proporcionalmente ao número de pessoas, veio bem rápido.

Eles não trabalham com comanda individual, mas é possível comprar diretamente do caixa sem dificuldade, então é grande o número de pessoas que ficam por lá, em pé mesmo, esperando a comida (eles tem senha pra saber que o pedido está pronto) e conversando com os amigos.

Coloco como ponto negativo o fato de não conseguir ouvir música nenhuma. Alguns haviam me dito que tocava um rock e tal como música ambiente, mas eu não consegui ouvir um acorde. Como pra mim isso é extremamente importante em um bar, me desanimou um pouco, tanto que desisti de comemorar meu aniversário por lá.

Apesar de não ter sido a melhor das experiências pra mim, definitivamente é um lugar a se conhecer, ainda mais porque os preços são convidativos, de um modo geral. E pra quem é fã de hamburger é IMPOSSÍIIIVEL não ter uma opinião formada sobre o de lá. Pra quem não curte essa agitação toda, recomendo ir na hora do almoço.

A Comuna não tem fachada e nem convite para entrar. Estive pela primeira vez no lugar dois anos atrás na festa de pré-estreia do filme Febre do Rato. De lá para cá, o espaço ganhou um galeria de arte e agora também é sede da editora Bolha.

Há poucos meses, a casa lançou o projeto Junta Local. Sempre no primeiro sábado de mês pela manhã. O projeto chamou tanta atenção que já ganhou um novo espaço, maior. No entanto, no quesito bar, a Comuna continua a mesma, com cerveja nacionais e importadas, mas nada muito vasto e hambúrgueres como prato principal.

Sempre com música, as pessoas se reúnem nas mesinhas, muretas e cadeiras ao redor do prédio de tijolos e brinda a vida sem preocupação. Em plena terça-feira a noite, o ambiente está lotado.

Eu tomei duas cervejas de 1 litro com mais dois amigos, na última ocasião. As únicas opções desse tamanho era Budweiser (R$ 14) e Norteña (R$ 18). Tomei uma de cada, mas nenhuma estava realmente gelada. Para comer, decidimos ir a outro lugar e sentar numa mesa.

O espaço é pequeno no primeiro andar, em dia de festas o local fica abarrotado de gente. Afinal é só chegar e entrar. Eles abrem de terça a domingo a partir das 18h, mas para 2015, o objetivo é abrir às 15h.

Se você não quer conforto ou luxo, mas foge de botecos, e procura um lugar "diferente": achou.

Foto opinião do Letícia Alasse sobre Comuna

via iPhone

Ótimo lugar pra tomar drinks diferentes e comida deliciosa. Um lugar alternativo no ponto. Várias tribos no mesmo lugar.
Sugiro o drink Bong Bog: delicioso e forte.
Normalmente não cobra a entrada e quase todos os dias tem balada no andar superior.
O local com sua estrutura e decoração é bem alvenaria e canos.
Quer ir mais vezes o quanto eu puder.

via iPhone

A entrada é uma portinha, nem parece ser o que é. Rock tocando e hambúrgueres sensacionais no cardápio R$18 a 22, diferentes, muito bons mesmo.
Pra beber tem Serra Malte a R$9.
Os preços são bons, e lá pras 23:00hs vai formando uma night interessante.

O único ponto negativo é cobrarem R$1 pelo Ketchup, achei meio desnecessário, mas talvez seja para desestimular o uso nos Burgrs

Daqueles lugares que são tão escondidos e maneiros que é melhor nem comentar pra não estragar...rs. O lugar é bem bacana, o som que toca é sempre bom e a entrada quase sempre é livre. O único porém do local é o bar. Parece que os donos não sabem fazer compras para abastecer o local. As cervejas acabam cedo e as poucas opções que sobram estão quentes. Dizem que a pedida é o famoso hamburguer. Acho bacana eles apostarem em opções vegetarianas, mas o preço é salgado. Mas como a entrada é livre, muita gente sai pra beber no bar da frente e volta.
Exibindo 14 opiniões | Total de 27 opiniões
Você conhece o Comuna? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)

Baixe grátis o app do Kekanto Escolha sua plataforma: