Divulgue seu estabelecimento aqui
Saiba como
Dicas rápidas Ver todas as dicas
avaliações recomendadas
Nosso sistema de inteligência artificial recomenda automaticamente as opiniões com maior probabilidade de serem relevantes a você. Ele leva em conta diversos fatores como, por exemplo, a qualidade de texto e fotos, e o histórico de publicações do autor. Apenas as avaliações recomendadas são levadas em conta na avaliação geral do estabelecimento.
   
Selecione uma nota
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.

via iPhone

Acho o ambiente dessa unidade do Brás mais agradável que a de Pinheiros: um amplo salão com um mesanino e a de Pinheiros são vários ambientes.
No Brás o ambiente é bem familiar assim como a de Pinheiros, so que menos badalado em fim de semana. Ainda assim é arriscado você ter que esperar por mesa se chegar perto da 1h da tarde.
A comida e o serviço tem a mesma qualidade da unidade de pinheiros. O cardápio é idêntico.
Ótima opção pra almocar em família no fim de semana.

São Paulo comprova que realmente abarca tantas diversidades culturais e delícias gastronômicas.
A Cantina do Gigio é ótima para comer uma massa deliciosa e tomar um bom vinho. Mas não para por aí. Atendimento bom e preço razoável também são diferenciais. Dependendo do horário, o cliente terá de enfrentar uma fila de espera básica...mas nada que não faça a visita valer a pena!

Para quem for a Gasometro a procura de artigos e para o lar e material para construção, não perda a oportunidade de conhecer este restaurante classico do bairro.
A fartura dos pratos é indescritível, sem mencionar a qualidade de sua culinária. É realmente espetacular...
Primeira opinião do lugar

“O barbeiro Tranquillo Zampinetti da Rua do Gasômetro nº 224-B entre um cabelo e uma barba lia sempre os comunicados de Guerra do Fanfulla. Muitas vezes em voz alta até. De puro entusiasmo: La fulminante investita dei nostri bravi bersaglieri ha ridotto le posizione nemiche in un vero amazzo di rovine...” (A. Machado)
Zampinetti é personagem do livro “Brás, Bexiga e Barra Funda”, de Alcântara Machado e, não por acaso, era quase vizinho do imóvel que décadas depois viria a ser a Cantina Giggio.
Na obra, que conta casos dos três bairros mais “italianos” de São Paulo, o autor defende a tese de que alguns imigrantes, principalmente o italiano, trazem em si a alegria, o canto e a movimentação. Ao pisarem o solo brasileiro, carregavam a força do trabalho e a vontade de se saírem bem na nova terra. Ao se adaptarem, misturavam-se de forma espontânea, a ponto de se confundirem com a paisagem.
Um desses imigrantes foi o sr. Luigi Salvel, mais conhecido como Gigio, característico apelido italiano para os Luigi. Ele criou, com a ajuda de um amigo também italiano, a cantina que leva seu nome. Ela foi inaugurada em 1967, porém em Perdizes, região que, na época, não fazia parte do roteiro gastronômico da cidade.
Pouco depois, há exatos 40 anos, em 16 de agosto de 1971, a cantina Gigio foi inaugurada em sua atual sede, na rua do Gasômetro, então repleta de cantinas, com uma festa bem característica: com muita alegria, comemorações e, claro, muita comida.
A Gigio é uma das últimas remanescentes do outrora romântico, mas ainda legendário bairro do Brás. Ela retrata fielmente o ambiente das cantinas de São Paulo, com fotos antigas da capital e com massas e pratos típicos, servidos em porções gigantescas, fartamente acompanhados pelos molhos e acompanhamentos da casa.
A lista de opções é imensa: capellini, capeletti, fettuccine, fusilli, gnocchi, linguini, penne, ravióli, richitele, spaghetti, tagliarini etc, acompanhados pelos molhos branco, ao sugo, à bolonhesa, parisiense, arrabbiata, carbonara, calabrese, frascatana, italiana, marinara, papalina, pescatore, pollo, puttanesca, romanesca, Dom Pepe e muitos outros. E isso para ficar só nas massas e não falar nas vitelas, cabritos, frangos, frutos do mar...
Todos os pratos servem facilmente 3 pessoas, principalmente se antes deles você escolher algumas “entradas” que, ao contrário da maioria das casas, é oferecida por peso, em uma mesa tipo buffet onde você encontra maravilhas como o pão de lingüiça e os diversos tipos de queijos e frios.
Tudo, tanto as massas quanto os molhos, é feito lá mesmo, seguindo as receitas das “nonas”, com todo o cuidado na escolha dos ingredientes frescos e a dedicação no cuidado de cada prato.
É fácil observar no sorriso de cada cliente a satisfação, e também perceber como a alegria dos italianos é transferida para a sua culinária. Ou será que é a própria comida que gera tanta alegria?
Há mais de duas décadas a Cantina Gigio tem, além da sede do Brás, uma filial em Pinheiros. E ambas são comandadas pela mesma família, sob os olhos atentos de Vinícius e Vitor Manuel Braz. Junto com eles, a amabilidade de um atendimento absolutamente pessoal, as boas opções de bebidas, a fartura e o carinho da confecção dos pratos, os bons preços e a barulhenta movimentação dos clientes trazem a certeza: você está numa legítima cantina italiana.

via Android

Excelente comida, ambiente agradável, garçons atenciosos, possui buffet por quilo de acepipes... Muito bom para ir com a família, com namorada, amigos...vale a pena pra quem gosta de comida italiana.A meia porção serve a dois. Mas fique atento na região, bairro perigoso (presenciei assalto na rua de trás ao sair do restaurante).
Exibindo 70 opiniões | Total de 83 opiniões
3 opiniões não são recomendadas
Você conhece o Cantina Gigio? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)

Baixe grátis o app do Kekanto Escolha sua plataforma: