Mais na região Como chegar

Somos um espaço de degustação de massas, tira-gostos variados, vinhos e chopp artesanal Küd. Ambiente rústico à luz de velas sempre com som ambiente.

Local tranquilo e intimista. Para namorar e passar bons momentos com os melhores amigos.

Avaliar
Salvar
Compartilhar


Dicas rápidas Ver todas as dicas
Opinião em destaque

Especialista em Restaurantes Italianos com 17 opiniões na categoria

Cantim é apenas uma forma carinhosa de se referir ao restautante. Tem uma mesa grande no que seria a garagem da casa que abriga umas 8 pessoas e uma mesa enorme da varanda onde se sentam outras quinze. Sem contar as mesas normais no interior da casa. Noir, sim, pois tudo é muito escurinho. Além do escurinho, a tranquilidade e o silêncio da rua – sem problemas pois o moço que toma conta da porta ajuda na segurança de quem entra, de quem sai e fica de olho nos carros – entram e tomam conta do restaurante.

Restaurante conduzido pelo casal de donos há um ano e meio. Restaurante basicamente de receitas de massas resgatadas da família e vinhos. As massas são servidas em porções individuais ou para 2 pessoas. Nas porções individuais os preços vão de R$20 do Capeleti de 3 queijos ao Sugo até R$33 do Caneloni de carne de sol ao Molho de Abóbora. Os Rondelis, os Nhoques e as lasanhas estão no meio, tudo produzido com sabor e qualidade esmerados.

A impressionante carta de vinhos – impressionante em comparação com a carta de massas -, com mais de 30 títulos, com seus nacionais, argentinos, chilenos, portugueses e franceses, tem preços estimulantes para nos levar a tomar vinho, já que naquele alto de São Lucas o vento faz a curva. Tanto que os bebedores de cerveja, no final da noite, tiveram que recorrer às mantas fornecidas pela casa, nessa primavera belorizontina que, em certos dias, se apresenta com cara do verão mais intenso. Optamos por levar nosso vinho e pagar R$18 de rolha, sem muita necessidade.

Mas a casa pode usada como um excelente buteco com seus petiscos de lingüiça (R$26), filés (R30), bolinhos de mandioca com queijo (R$17) ou bacalhau (R$19), caldos (R$14), fritas (R$15) e pastel de angu (R$19). Ou para as sugestões da casa que são o resgate à memória das receitas da família e que levam os nomes dos antepassados: Carninha de Soisa, Mandioquinha de Jac, Bulim do Veio e Moelinha de Zefa.

cervejas de 600 ml entre 7 e R$8 e o chope da KUD a R$6 devem cair muito bem nas sombras e ventos do verão que se anuncia.

E você ainda pode estender os prazeres das massas, levando para casa as 500 gramas próprias para micro-ondas do Caneloni de Carne de Sol, nhoque e Lasanha a Bolonhesa por R$17, bastando que a encomenda seja feita com 12 minutos de antecedência.

Não se fruste caso não consiga descobrir os ingredientes do excelente suco verde; faça um esforço.
avaliações recomendadas
   
Selecione uma nota
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.

Especialista em Restaurantes Italianos com 17 opiniões na categoria

Cantim é apenas uma forma carinhosa de se referir ao restautante. Tem uma mesa grande no que seria a garagem da casa que abriga umas 8 pessoas e uma mesa enorme da varanda onde se sentam outras quinze. Sem contar as mesas normais no interior da casa. Noir, sim, pois tudo é muito escurinho. Além do escurinho, a tranquilidade e o silêncio da rua – sem problemas pois o moço que toma conta da porta ajuda na segurança de quem entra, de quem sai e fica de olho nos carros – entram e tomam conta do restaurante.

Restaurante conduzido pelo casal de donos há um ano e meio. Restaurante basicamente de receitas de massas resgatadas da família e vinhos. As massas são servidas em porções individuais ou para 2 pessoas. Nas porções individuais os preços vão de R$20 do Capeleti de 3 queijos ao Sugo até R$33 do Caneloni de Carne de Sol ao Molho de Abóbora. Os Rondelis, os Nhoques e as Lasanhas estão no meio, tudo produzido com sabor e qualidade esmerados.

A impressionante carta de vinhos – impressionante em comparação com a carta de massas -, com mais de 30 títulos, com seus nacionais, argentinos, chilenos, portugueses e franceses, tem preços estimulantes para nos levar a tomar vinho, já que naquele alto de São Lucas o vento faz a curva. Tanto que os bebedores de cerveja, no final da noite, tiveram que recorrer às mantas fornecidas pela casa, nessa primavera belorizontina que, em certos dias, se apresenta com cara do verão mais intenso. Optamos por levar nosso vinho e pagar R$18 de rolha, sem muita necessidade.

Mas a casa pode usada como um excelente buteco com seus petiscos de lingüiça (R$26), filés (R30), bolinhos de mandioca com queijo (R$17) ou bacalhau (R$19), caldos (R$14), fritas (R$15) e pastel de angu (R$19). Ou para as sugestões da casa que são o resgate à memória das receitas da família e que levam os nomes dos antepassados: Carninha de Soisa, Mandioquinha de Jac, Bulim do Veio e Moelinha de Zefa.

Cervejas de 600 ml entre 7 e R$8 e o chope da KUD a R$6 devem cair muito bem nas sombras e ventos do verão que se anuncia.

E você ainda pode estender os prazeres das massas, levando para casa as 500 gramas próprias para micro-ondas do Caneloni de Carne de Sol, Nhoque e Lasanha a Bolonhesa por R$17, bastando que a encomenda seja feita com 12 minutos de antecedência.

Não se fruste caso não consiga descobrir os ingredientes do excelente suco verde; faça um esforço.

Um lugar super simples e muito acolhedor. É uma casa com uma vista linda das luzes da noite de bh, sempre acompanhada de voz e violao. Servem uma das massas mais gostosas que ja saboreei! Massas caseiras, feitas lá, com muito capricho. Conheci o estabelecimento atraves de evento do Kekanto e ja voltei pra prestigiar o local. Atendimento muito bom, facil estacionamento. A casa tambem tem chops com sabores diversificados, mas nao experimentei pois estava dirigindo as vezes que fui! Outras pessoas que provaram gostaram muito!

Infelizmente a minha visita à casa não foi muito legal.
É um espaço super interessante, uma casa transformada em um restaurante aconchegante.
A parte externa (garagem da casa e aos arredores da casa) não é muito indicada no frio, mas é super charmosinha e tem uma vista linda pra cidade.
A parte interna com luz de velas (na verdade é de LED rs), um espaço pequeno, mas que não peca se o restaurante não lotar (poderia ser um pouquinho mais iluminado, dificulta a té pra ler o cardápio). É tudo bem rustico com toque de romantismo.
Na minha primeira visita, num evento do Kekanto, a casa possuía apenas um banheiro, hoje já fizeram outro (ponto pra eles).

Vamos ao atendimento: Muito demorado pra qualquer pedido (desde as massas até um simples copo) e garçons pouco preparados.
Pedimos uma entradinha "Carninha de Soiza" (carne cozida no molho que acompanha fatias de pães), as fatias de pão não são suficientes para a quantidade do molho, tivemos que pedir mais duas vezes. Pedimos também a batata frita com mussarela, na mesa não tinha palitos, guardanapos, sal, e só trouxeram porque pedimos pra comer a batata.

Sabores: a Carninha de Soiza é muuuito saborosa, o molho não é ácido, e a carna não é moída, parece q foi cozinhada e desfiada, uma dica pro pessoal do bar é assar um pouco as fatias de pães (não torrar, só p ficar mais firme) para o molho não ficar escorrendo. Enfim pedimos as massas que são caseiras, são realmente muito gostosas e leves, com recheios maravilhosos, porém me pareceu que não existia um padrão a ser seguido, pois a massa de um prato de canelone estava perfeita e bem fininha, já no outro estava grossa (massuda).

Houve um equívoco também na noite, um dos pedidos parece que não foi repassado ao pessoal da cozinha, depois de 2 horas (perguntando sobre o prato) o chef veio a mesa pedindo desculpas, e explicando que o pedido não tinha chegado a ele, não cancelamos o pedido e esperamos que ele fizesse o prato, ficou pronto e mais uma vez ele pediu desculpas e ofereceu uma porção de bruschetas por conta da casa, que eram muito gostosas, com um toque diferente.

Ao final, confusão com a conta.
Não recordo os valores dos pratos, mas não são muito diferentes.

Ambientação incrivel,música agradável,garçons devidamente trajados educados,a casa tinha tudo para ter um conceito de sucesso em meu gosto pessoal,mas infelizmente pedi um prato as 20:20hr e esperei até as 22:15hr e não recebi o pedido,algo lamentável.O Dono da casa manteve uma postura louvável e me permitiu ir embora sem pagar os sucos que havia consumido,mas me desloquei de Betim para saborear os deliciosos pratos aos quais fui indicado mas não foi possível.Como dica de atendimento,deixo a sugestão de darem uma atenção maior as mesas ao redor da casa,pois percebi que com o aumento de clientela no interior,o atendimento nas laterais externas fica precário,fato ao qual creio que ocasiono o esquecimento por parte do garçom do meu pedido junto a cozinha.No mais sucessos a casa.
Estive no dia 12/06/13 no Cantim Noir. E me senti péssima!!!

Fui bem atendida APENAS na portaria.

Demoramos 40 minutos para que um garçom pudesse nos dar o cardápio. Ao escolhermos o prato e as bebidas, solicitamos 3 garçons, 2 vezes cada, e nenhum parou ou retornou à mesa. OU seja, 6 tentativas frustradas para pedir o jantar. O local não estava cheio e os garçons muito mal humorados. Tinham velas nas mesas devido à data, com a iluminação bem baixa, super romântico, tirando o fato que a vela na mesa nem foi acendida pelo garçom quando nos foi dado o cardápio fazendo com que nem conseguíssemos ver o cardápio direito.
Insistimos em ficar... quase 1 hora sem atendimento... os garçons passando com cara fechada, nem olhavam pra mesa.

Então, fomos embora! Eu, meu namorado e mais 4 casais deixamos o estabelecimento, pelo mesmo motivo nessa noite.

Infelizmente, deixo esse recado até para os responsáveis do estabelecimento pois escolhemos o local pelas várias opiniões do Kekanto porém, foi uma parte da noite desagradável.

Ressalto o atendimento da portaria que foi nota 1.000!!! Mas, o resto deixou mto a desejar.

Pessoal, o Cantim Noir foi um dos indicados pelo anuário da revista VEJA BH - Comer&Beber 2013/2014, entre os melhores de BH.
Essa conquista não foi só nossa, mas de todas as pessoas que aqui estiverem e contribuíram com a presença, com sugestões e com o carinho. Muito Obrigada!
A emoção é muito grande e agradecemos a todos, o carinho e a visita. Esperamos que retornem em breve. E vamos nos preparar para surpreender em 2014!
Abraços Carinhosos! ;)
O Cantim Noir entre os melhores bares de BH-VEJA BH-Anuário Comer&Beber 2013/2014
"O Cantim Noir entre os melhores bares de BH-VEJA BH-Anuário Comer&Beber 2013/2014"
Massacrada pelo rotina do centro de Belo Horizonte, estava procurando algo que pudesse me fazer acreditar que ainda existe por nessa cidade um lugar intimista, romântico, com boa comida a luz de velas. Foi aí que vi aqui mesmo no kekanto o Cantim Noir!! Localizado no bairro São Lucas, o restaurante que funciona no primeiro andar de uma casa, com uma decoração meio Rústica meio Hippie chic, vista privilegiada de toda a cidade e um clima bem zeem. Lá oferece O melhor da cozinha Italiana, com massas preparadas pelos próprios donos do estabelecimento. Pra entrada pedimos umas brusquetas de tomate e manjericão que estavam divinas, muito bem acompanhadas por Vinho tinto (Dão) na temperatura ideal. O prato principal foi composto por Rondelli recheado com nozes e ricota, servido com molho de queijo... Perfeito!! Tudo serve 2 pessoas que comem moderadamente. O preço é justo, a conta final deu mais ou menos 80 reais p casal, o que me surpreendeu se tratando de Belo Horizonte. A senhora Ione (dona e chef que prepara toda a comida) é uma simpatia, sempre vem á mesa certificar- se de que esta tudo bem e explicar como a massa e preparada. No dia em que fomos no local, estava tocando uma musica ambiente, mas a casa oferece shows durante o fim de semana. Amei, Amei Amei!! Recomendo para um jantar romântico e também para encontro com amigos onde você queira um clima bom para colocar o papo em dia.
Não costumo escrever sobre estabelecimentos baseado apenas na visita realizada nos eventos do kekanto, sob o risco de não avaliar com fidedignidade, afinal é um dia atípico para a casa, e o que vejo ocorrer é uma enxurrada de comentários elogiosos, que nem sempre correspondem à realidade. Prova disso foi minha segunda visita ao Cantim Noir.

No dia do 17° evento Kekanto já não foi aquela maravilha, mas dei um desconto, pois estava claro que a casa não estava acostumada a receber clientela em tamanha quantidade, embora soubessem previamente da proporção do evento, pois bem, com o estabelecimento vazio, o atendimento confuso e lento permaneceu. Entendam que não é razoável esperar mais de 2 horas por um prato, por mais artesanal que essa massa possa ser.

Com tantas opções em nossa capital, acredito que o simples fato de se escolher um local para um drink ou um jantar, já seria suficiente para ser recebido com tapete vermelho, mas não é o que vemos acontecer, em alguns momentos fica a impressão de que o cliente está recebendo um favor, lastimável.

É indiscutível que o Cantim Noir seria uma ótima opção, principalmente para fugir da mesmice esmagadora da maioria dos estabelecimentos que temos em nossa cidade, mas a manter a qualidade do serviço nesse patamar, infelizmente passo a não mais considerar essa possibilidade.
Exibindo 14 opiniões | Total de 37 opiniões
2 opiniões não são recomendadas
Você conhece o Cantim Noir? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)

Baixe grátis o app do Kekanto Escolha sua plataforma: