Restaurante especializado em carnes localizado no Barra Shopping Sul.

Avaliar
Salvar
Compartilhar


Dicas rápidas Ver todas as dicas
Opinião em destaque

“Finalmente um bom restaurante que valoriza a vista para o Guaíba”. Essa foi a primeira frase que eu disse sobre o Bah Restaurante, um dos mais novos e atraentes pontos da cidade, que fica no novíssimo Barra Shopping Sul.É vero que ainda tem uns fiozinhos atrapalhando a vista, mas digo com segurança que as mesas do andar superior são pra lá de agradáveis. Convidei meu fiel amigo e escudeiro Geraldo Figueras pra botar o papo em dia e nos jogamos nos poltronões curtindo a brisa do rio.Enquanto ele lia o cardápio, fui dar um conferes nos outros ambientes do Bah. Logo na entrada, dá pra avistar toda a cozinha e um belo bar.

O pé direito alto, os janelões de vidro e as requintadas mesas dão um toque business lunch ao lugar.E no andar de cima, onde fica aquela vista show, ainda tem uma parte interna bem climatizada e com a mesma boa trilha sonora de todos os ambientes da casa.De volta à mesa, encontrei um couvert pra lá de marrento com direito a manteiga com calabresa, manteiga com manjericão, nata colonial com raiz forte, tomates secos, mussarela de búfala e por aí vai.

Excelente começo.Fiquei surpreso com a sofisticação do cardápio e com a identidade de cada prato. Vários elementos retratando bem a cultura campeira e fazendo jus ao nome do lugar, Bah (que foi a única coisa que não me agradou muito).

Anyway, rapidamente escolhi o tortei recheado de moranga e charque de Bagé, dourados na manteiga de sálvia, servidos com queijo grana padano e farofa de biscoitos Amaretto. Sensacional!O Figueras se puxou também num prato com camarões salteados com páprica picante, papardelle italiano al dente, com molho cítrico com toques de laranja e gengibre. Muito interessante.

A hora da sobremesa foi o único momento frustrante do dia, pois fissurei numa sobremesa que não pude comer naquele dia pois faltava algum ingrediente. A Trilogia de Doces Regionais é composta por sagu de vinho com creme anglaise, ambrosia em dois tons e arroz de leite. Tudo de bom. Mas ficou pra outra vez. Acabei experimentando uma sugestão de fora do cardápio, o Creme Brulèe de Café.Do outro lado da mesa, rolou uma bela torta holandesa.

O bom café do Press fechou esta experiência gastronômica.Mas calma lá, que o post ainda não acabou, porque no dia seguinte, resolvi voltar lá com Gustavo Guedes, Didi Kaufmann e Serginho Baccaro para um animado business meeting. De cara, já brindamos o novo ano com um Finca La Linda Rosé.

O casal Gustavo-Didi foi no mesmo prato: carne de panela preparada lentamente em panela de ferro com nhoque de batatas servidos com queijo parmesão. Na real, eram mais nhoque que carne de panela, mas o sabor compensava.O Baccaro pediu um prato meio kids: milanesa de filé mignon com batata assada regada ao molho de queijos. Deve ser o momento “new dad” tomando contado do “homi”.Eu ousei um pouco mais numa costela Janela de Porco, um belíssimo corte que mesclava sabores cítricos, picantes e adocicados ao mesmo tempo. Pra lá de especial.

E ainda era acompanhado de uma polenta mole com farinha de milho de Cotiporã.A Didi ainda arranjou espaço para um Manjar de Morangos, no qual morangos fatiados eram intercalados por finas camadas de nata e creme de ovos.Agora sim, hora de dizer que a conta é pesadinha para um almoço diário pois fica na casa dos 70 reais per capita. Mas fica ideal para um caprichado almoço no findi ou para uma bela reunião de negócios.
avaliações recomendadas
   
Selecione uma nota

Excelente restaurante no Shopping Barra (aliás, deveria ter filiais pela cidade).
O cardápio oferece uma releitura de pratos típicos gaúchos. Muito sabor na comida, ótima! As sobremesas também são excelentes.
Boa variedade de vinhos como alternativa.
Ambiente limpo e elegante.
Tem opção de buffet executivo ao meio-dia com preços mais acessíveis!
Recomendo!
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.
Já fui várias vezes e sempre sai muito satisfeito. Endosso as opiniões acima, principalmente a primeira escrita pelo Diego Fabris que descreve perfeitamente o restaurante. Sugiro apenas que "amenizem um pouco o preço da dose de whiskey Jonhny Walker pois R$ 21,00 + 10% e mais o adicional da gorjeta que eu sempre dou fica meio "carinho". Gosto de beber o que é bom porém estou em um bom restaurante e não em uma boate. Concordam ?

via iPhone

Bah tchê, que restaurante tri! Fui conhecer este restaurante em um sábado à noite e estava bem tranquilo. Ele fica localizado na lateral do shopping junto com outros restaurantes e é um dos mais chiques.

Logo ao entrar o ambiente e os aromas já passam uma boa impressão do local, que melhorou ainda mais quando peguei o menu.

Escolhemos um pinot noir Luigi Bosca da Argentina que é bem mais escuro que os franceses, mas estaba bom.

De prato principal escolhi a picanha premium Grelhada com maionese dijon (R$53), bife de tira gigante de 350g que acompanha farofa de erva mate, farofa dourado e batatas a maionese com molho dijon. Estava excepcional e com o mesmo nível de pratos paulista na faixa de 60~80 reais.
Foto opinião do Bruno Yoshimura sobre Bah

via iPhone

Excelente restaurante em frente ao rio Guaíba, com decoração sóbria e salão amplo. A carta de vinhos possui boas opções (pedimos um pinot noir leve Luigi Bosca), pedi um camarão com pappardelle - levemente picante - que estava mto bom (o camarão do Sul obviamente ajudou bastante!)
Foto opinião do Franco Veludo sobre Bah
A maioria dos pratos deles é com carne vermelha, mas mesmo assim me arrisquei a ir com minha família. Servem um maravilhoso couvert, que pra mim já vale como uma refeição. Ambiente muito bonito e confortável. Galera manda bem na cozinha, pois todos saímos muito satisfeitos.

“Finalmente um bom restaurante que valoriza a vista para o Guaíba”. Essa foi a primeira frase que eu disse sobre o Bah Restaurante, um dos mais novos e atraentes pontos da cidade, que fica no novíssimo Barra Shopping Sul.É vero que ainda tem uns fiozinhos atrapalhando a vista, mas digo com segurança que as mesas do andar superior são pra lá de agradáveis. Convidei meu fiel amigo e escudeiro Geraldo Figueras pra botar o papo em dia e nos jogamos nos poltronões curtindo a brisa do rio.Enquanto ele lia o cardápio, fui dar um conferes nos outros ambientes do Bah. Logo na entrada, dá pra avistar toda a cozinha e um belo bar.

O pé direito alto, os janelões de vidro e as requintadas mesas dão um toque business lunch ao lugar.E no andar de cima, onde fica aquela vista show, ainda tem uma parte interna bem climatizada e com a mesma boa trilha sonora de todos os ambientes da casa.De volta à mesa, encontrei um couvert pra lá de marrento com direito a manteiga com calabresa, manteiga com manjericão, nata colonial com raiz forte, tomates secos, mussarela de búfala e por aí vai.

Excelente começo.Fiquei surpreso com a sofisticação do cardápio e com a identidade de cada prato. Vários elementos retratando bem a cultura campeira e fazendo jus ao nome do lugar, Bah (que foi a única coisa que não me agradou muito).

Anyway, rapidamente escolhi o tortei recheado de moranga e charque de Bagé, dourados na manteiga de sálvia, servidos com queijo grana padano e farofa de biscoitos Amaretto. Sensacional!O Figueras se puxou também num prato com camarões salteados com páprica picante, papardelle italiano al dente, com molho cítrico com toques de laranja e gengibre. Muito interessante.

A hora da sobremesa foi o único momento frustrante do dia, pois fissurei numa sobremesa que não pude comer naquele dia pois faltava algum ingrediente. A Trilogia de Doces Regionais é composta por sagu de vinho com creme anglaise, ambrosia em dois tons e arroz de leite. Tudo de bom. Mas ficou pra outra vez. Acabei experimentando uma sugestão de fora do cardápio, o Creme Brulèe de Café.Do outro lado da mesa, rolou uma bela Torta Holandesa.

O bom café do Press fechou esta experiência gastronômica.Mas calma lá, que o post ainda não acabou, porque no dia seguinte, resolvi voltar lá com Gustavo Guedes, Didi Kaufmann e Serginho Baccaro para um animado business meeting. De cara, já brindamos o novo ano com um Finca La Linda Rosé.

O casal Gustavo-Didi foi no mesmo prato: carne de panela preparada lentamente em panela de ferro com nhoque de batatas servidos com queijo parmesão. Na real, eram mais nhoque que carne de panela, mas o sabor compensava.O Baccaro pediu um prato meio kids: milanesa de filé mignon com batata assada regada ao molho de queijos. Deve ser o momento “new dad” tomando contado do “homi”.Eu ousei um pouco mais numa Costela Janela de Porco, um belíssimo corte que mesclava sabores cítricos, picantes e adocicados ao mesmo tempo. Pra lá de especial.

E ainda era acompanhado de uma polenta mole com farinha de milho de Cotiporã.A Didi ainda arranjou espaço para um Manjar de Morangos, no qual morangos fatiados eram intercalados por finas camadas de nata e creme de ovos.Agora sim, hora de dizer que a conta é pesadinha para um almoço diário pois fica na casa dos 70 reais per capita. Mas fica ideal para um caprichado almoço no findi ou para uma bela reunião de negócios.
Foto opinião do Diego Fabris sobre Bah

Restaurante especializado na gastronomia campeira, claro, com um toque mais do que sofisticado. Pois bem, a novidade ali é o menu degustação que será incorporado ao cardápio. Uma sequência de sete pratos que podem ser apreciados com ou sem harmonização. Não preciso nem dizer que minha opção sempre inclui umas (sete) taças de vinho. Fiquei sabendo que o jantar seria um evento para apresentar o cardápio e que a harmonização seria feita pelo premiado sommelier mineiro, Guilherme Corrêa.Liguei para minha fiel escudeira Maria Eduarda e tratamos logo de fazer nossas reservas para aquele que seria um jantar pra lá de especial.

Chegamos e dividimos a mesa com a simpática Marcia Zabaleta, uma gaúcha de Pelotas que há mais de cinquenta anos mora em Porto Alegre e que segundo ela, não dispensa os prazeres da mesa regados a um bom vinho. Bom, mas viemos aqui para comer e a primeira entrada já dava sinais do que viria pela frente, duas fatias de cuca crocantes, uma coberta com mussarela de búfala e manjericão e a outra com tomates e alecrim. Para acompanhar um Sauvignon Blanc 2006 – Villa Russiz da região de Friuli na Itália.Câmera em punho e a segunda entrada me agradou ainda mais que os toques adocicados da primeira.

Lâminas de berinjela, abobrinha italiana, pimentões amarelos e vermelhos grelhados, tomate sugo e queijo grana, acompanhadas de palmito pupunha assado e grelhado, que casaram perfeitamente com o Terra Amata Rosé Côtes de Provence 2008.Continuando nossa orgia gastronômica, o terceiro prato, e aquele que praticamente fez a Maria Eduarda chorar de emoção, foi o delicioso Tortei de moranga e charque desfiado coberto com manteiga noissette e salvia, tudo isso coberto com uma fina farofinha de biscoito amaretti.

Para acompanhar um Valpolicela Superiore TB 2004 da região do Veneto, na Itália. Tive que ser rápida porque o negócio é tão bom que pensei em repetir, mas calma, calma, esse era apenas o terceiro prato da noite e muito ainda estava por vir.O quarto prato da noite era uma Costeleta de porco assada, com raspas de limão e laranja, levemente picante e adocicada por mel de laranjeiras, isso tudo servido sobre polenta mole e harmonizado com um vinho Australiano chamado Grenache Prodigal 2005.

Um luxo!O quinto prato era o que eu estava esperando ansiosa, porque serviriam dois ingredientes que eu adoro, cordeiro e couscouz, e eu posso dizer que essa Paleta de cordeiro braseada no forno e servida com o próprio molho, acompanhado de couscouz de ervas e frutas secas, justificou toda minha ansiedade, porque estava simplesmente divino. O prato foi servido com um vinho argentino da região de Mendoza, o Gala II 2005 – Luigi Bosca.

Last but not least na lista de pratos antes da sobremesa, o Carreteiro de perdiz com arroz negro e linguiça calabresa refogada e deglaceada com cachaça, aromatizado com ervas e manteiga de foie gras. Para acompanhar esse prato com sabor marcante um El Principal 2006 do Chile.

Quase entregando os pontos, ainda conseguimos achar um lugar para a Trilogia de doces regionais: sagu de vinho malbec com creme anglaise, ambrosia em dois tons e arroz de leite condensado intercalado com crocante de amêndos caramelizadas. Isso tudo bebericando um vinho Porto Traditional 1999. Juro que comeria esse sagu todos os dias da minha vida.Saldo na noite: cerca de 140 reais por pessoa, uma aula sobre vinhos e a constatação de que a gastronomia regional pode ser repaginada sem perder a essência e o sabor. Essa foi, definitivamente, uma noite de gala que eu com certeza repetirei. Fica a dica!
O Bah Restaurante é um dos nossos preferidos aqui em Porto Alegre e sempre que podemos, vamos lá para provar as novidades ou para comer de novo aquela infinidade de pratos deliciosos da cozinha gaúcha.

Tanto que já postamos aqui outras vezes. Well, o ambiente continua lindo.
Crédito das fotos para o Diogo que estava inspiradíssimo naquela noite.
Mas vamos ao que interessa: o novo menu degustação do Bah!

Fomos provar a novidade literalmente recém saída do forno, e só posso dizer que foi uma surpresa (boa) atrás da outra. O primeiro prato já mostrava as garras na forma de dadinho crocante de queijo “daqui”, brusqueta de cuca ao  tomate gaúcho e “velouté” de carne de panela. O tal “velouté” foi o luxo do gaúcho, dei uma misturadinha com a colher e mandei tudo de uma só vez. Pense num negócio sensacional! Ainda mais quando harmonizado com uma Champagne Barnaut Authentique Rosé Brut Grand Cru.

Depois veio um vinho branco, o Couly-Dutheil Chinon Blanc Les Chanteaux 2009 para casar com a lagosta com manteiga ao aroma de butiá e flocos de milho. Hmmmmm
Tá e um ravioli de queijo suave, manteiga da colônia e trufas branca!? Sério, trufas brancas!!!!!! O vinho da vez foi o Domaine Rolet L’Étoile Chardonnay Blanc 2007.

Os trabalhos continuaram e abriram lugar para os tintos. Para acompanhar o confit de pato sobre moranga cabotiá assada com melado de cana, um Château Saint-Roch Lirac Confidentielle 2007.

O jantar não estaria completo sem a indescritível costela janela desossada servida com farofa de erva mate e feijão mexido, remanescente do menu anterior mas que é um verdadeiro clássico. Lindamente harmonizada com Domaine L’Oustal Blanc Maestoso Minervois 2006.

A sobremesa foi um folhadissimo de nata batida e schmier de uva preta acompanhada por um Paul Mas Mas de Mas Maury 2007. Juro que minha vontade era ter comido isso de joelhos. Simplesmente demais!
Esse menu harmonizado custou 190 reais por pessoa. Caro ou barato, fica a critério de cada um, mas notem o calibre dos vinhos que foram servidos. Enfim, é por essas e outras que o Bah está nesse patamar. Um dos melhores restaurantes de Porto Alegre servindo comida regional da melhor qualidade. Tem como não amar!?
Foto opinião do Lela Zaniol sobre Bah

O Bah é a reinvenção da típica culinária gaúcha. Respeita o que é mais tradicional no Estado e acrescenta sofisticação e bom gosto. Para mim, uma ousadia louvável dos proprietários. Se temos as melhores carnes, no Bah elas são servidas com seu melhor preparo, tempero e apresentação. Até mesmo a erva-mate utilizada no chimarrão compõe pratos cujo resultado é supreendente.
Localizado no nível Guaíba do BarraShoppingSul, na Zona Sul de Porto Alegre, o restaurante possui dois andares e diversos ambientes. De pé direito alto, as grandes janelas permitem a entrada de luz natural e o contato com uma das mais belas paisagens da Capital gaúcha: o Guaíba. O amarelo do sol a as águas do lago criam um contraste harmonioso com o cinza das paredes de concreto aparente do Bah.
Fiquei com vontade de me aconchegar nas pequenas mesas e sofás da área externa, mas, como minha experiência foi vivida em grupo, ficamos no segundo piso, em uma mesa alta composta com cadeiras de bar. Próximo a nós, estava o bar do restaurante, o que conferia ainda mais agilidade ao atendimento dos pedidos.
O Bah não é um restaurante barato, portanto, para a maioria, não é para o dia a dia. Mas, certamente, vale o investimento e a experiência. O resultado, para mim, foi a versão de satisfação do “bah” dos gaúchos.
Primeira opinião do lugar

O Bah serve pratos contemporâneos, mas todos feitos com ingredientes tradicionais e típicos da região. O ambiente é moderno e agradável (apesar de estar fisicamente localizado dentro de um shopping). A carta de vinhos e a comida são muito boas. Recomendo o camarão grelhado com papardele com molho de gengibre e laranja e o carré de cordeiro com risoto de moranga.
Você conhece o Bah? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)

Baixe grátis o app do Kekanto Escolha sua plataforma: