Um dos cartões postais de São Paulo. Impossível querer conhecer a terra da garoa sem visitar essa avenida. É possível encontrar diversas coisas para fazer e visitar por lá.

Oferta

Quer receber ofertas do(a) Avenida Paulista?

No Kekanto os donos de estabelecimentos podem publicar cupons de descontos para todos os seus consumidores.

Baixe grátis nosso aplicativo e confira as ofertas:

Escolha seu celular:      
Divulgue seu estabelecimento aqui
Saiba como
Dicas rápidas Ver todas as dicas
avaliações recomendadas
Nosso sistema de inteligência artificial recomenda automaticamente as opiniões com maior probabilidade de serem relevantes a você. Ele leva em conta diversos fatores como, por exemplo, a qualidade de texto e fotos, e o histórico de publicações do autor. Apenas as avaliações recomendadas são levadas em conta na avaliação geral do estabelecimento.
   
Selecione uma nota
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.

via Android

A Av Paulista, na minha opinião, é um dos locais que melhor representa São Paulo. Tem desde o hippie vendendo pulseiras até o alto executico correndo para tirar seu carro do valet de 30 reais a hora. É o local onde o alternativo encontra o tradicional e os dois coexistem harmoniosamente (geralmente).
A Paulista que eu gosto é aquela do domingo, cheia de gente curtindo sem preocupação nem pressa. Ou a Paulista da noite, com aquelas bandas tocando e muita gente reunida para confraternizar com os amigos.
Resumindo, a Paulista é tudo de bom!

Diz a história da Av. Paulista:

"A avenida foi criada no final do século XIX a partir do desejo de paulistas em expandir na cidade novas áreas residenciais que não estivessem localizadas imediatamente próxima às mais movimentadas centralidades do período, por essa época altamente valorizadas e totalmente ocupadas, tais como a Praça da República, o bairro de Higienópolis e os Campos Elísios. A avenida Paulista foi inaugurada no dia 8 de dezembro de 1891, por iniciativa do engenheiro Joaquim Eugênio de Lima (que possui busto em sua homenagem e memória no Parque Trianon) e do Dr. Clementino de Souza e Castro (na época Presidente do conselho de intendências da cidade de São Paulo, atual cargo de Prefeito) , para abrigar paulistas que desejavam adquirir seu espaço na cidade.

Naquela época, houve grande expansão imobiliária em terrenos de antigas fazendas e áreas devolutas, o que deu início a um período de grande crescimento. As novas ruas seguiam projetos desenvolvidos por engenheiros renomados, e nas áreas mais próximas à avenida e a seu parque central os terrenos eram naturalmente mais caros que nas áreas mais afastadas; não havia apenas residências de maior porte, mas também habitações populares, casebres e até mesmo cocheiras em toda a região circundante. Seu nome seria avenida das Acácias ou Prado de São Paulo, mas Lima declarou: “Será Avenida Paulista em homenagem aos paulistas”.

No fim do anos 20, seu nome foi alterado para avenida Carlos de Campos, homenageando o ex-presidente do estado, mas a reação da sociedade fez com que a avenida voltasse a ter o nome com o qual foi criada e é conhecida até os dias de hoje.

A avenida foi aberta seguindo padrões urbanísticos relativamente novos para a época: seus palacetes possuíam regras de implantação que, como conjunto, caracterizaram uma ruptura com os tecidos urbanos tradicionais. Os novos palacetes incorporavam os elementos da arquitetura eclética (tornando a avenida uma espécie de museu de estilos arquitetônicos de períodos e lugares diversos) e dos novos empreendimentos norte-americanos: estavam todos isolados no meio dos lotes nos quais se implantavam, configurando um tecido urbano, diferente do restante da cidade, que alinhava a fachada das edificações com a testada do terreno. Isso fez com que a avenida possuísse uma amplidão espacial inédita na cidade.

A avenida Paulista foi a primeira via pública asfaltada de São Paulo, em 1909, com material importado da Alemanha, uma novidade até na Europa e nos Estados Unidos.

Esse perfil estritamente residencial da avenida permaneceu até meados da década de 1950, quando o desenvolvimento econômico da cidade levava os novos empreendimentos comerciais e de serviços para regiões afastadas do seu centro histórico.

Durante as décadas de 60 e 70, porém, e seguindo as diretrizes das novas legislações de uso e ocupação do solo, e a valorização dos imóveis incentivada pela especulação imobiliária, começaram a surgir naquele local os seus agora característicos "espigões" - edifícios de escritórios com 30 andares em média.

Durante esse período, a avenida passou por uma profunda reforma paisagística. Os leitos destinados aos veículos foram alargados e criaram-se os atuais calçadões, caracterizados por um desenho branco e preto formado por mosaico português. O projeto de redesenho da avenida ficou a cargo do escritório da arquiteta-paisagista Rosa Grena Kliass, enquanto o projeto do novo mobiliário urbano da avenida foi assinado pelo escritório Ludovico & Martino."

Digo eu, sobre a Av. Paulista:

É um lugar ímpar. Você se sente insignificante quando chega nela nas primeiras vezes. É difícil de se acostumar com tanta opulência demonstrada pelos arranha-céus, pelos trajes das pessoas que por lá circulam, pelo padrão social de seus arredores e pela miscelânea cultural de inúmeros países presentes naquele ponto.

Tenho uma parte da Paulista em meu DNA, um imóvel que pertenceu à uma parte de minha família ficava naquele local, onde hoje existe o prédio da FIESP, assim como um antepassado é lembrado no Parque Trianon com uma estátua em sua homenagem, por ter vindo desbravar estas terras para a coroa portuguesa, seu apelido (Anhanguera) é mais conhecido que seu nome Bartolomeu Bueno.

É um local onde eu chego e não tenho pressa em ir embora.

Coração econômico da América Latina... Palco de contrastes inúmeros... Mas, ainda assim, magnífica.
Fabulosa!!! Em horários de picos é sem dúvidas um local ruim para andar. Porém durante o fim de semana ou mais tarde da noite vale a pena o passeio. Prédios enormes e com lindas arquitetura. Mostra o poder no mundo empresarial que São Paulo tem. Fiquei hospedada na Rua Augusta( rua com muitas boates, horrível para dormir) bem próximo da Av. Paulista, íamos andando até ela e ao entrar em alguns prédios descobríamos shoppings fantásticos. Bom local

via Android

Avenida Paulista, com calçadas largas e muito bem conservadas da para caminhamos horas sem perceber, não falta atrações. Vários restaurantes, shoppings, hospitais, lanchonetes, enormes bancas de jornal que mais parece mini mercado, (vende de tudo rs), museus enfim é uma avenida completissima. Fácil de se chegar com transporte público, servida com metro e ônibus. Quem não conhece tem que conhecer urgente.
Acredito veementemente que a praia do paulista é a avenida Paulista. Um lugar para todos os gostos existentes. Não tem quem não goste da avenida Paulista. Tem teatro, cinema, shopping, parque, museu, ciclovia e metrô em todas as esquinas. Depois que a Paulista passou a fechar aos domingos, ficou muito melhor.
A avenida Paulista é um lugar onde você encontra de tudo e a todos. Você pode andar ela inteira e conhecer um pouco da cultura do paulistano. Tem varias lojas, bares, restaurantes, cafés, shopping, pessoas vendendo seus artesanatos e um museu, que é gratuito as terças. Aos domingos ela é fechada para os carros e aberta ao publico, você encontra pessoas cantando, dançando, turistas e tudo que imaginar. Vale muito a pena conhecer.

Está ai o coração da cidade de São Paulo: a Avenida Paulista. Endereço de grandes empresas públicas e privadas. É o lugar onde tudo acontece. Tudo que o se gosta de fazer na capital pode ser feito na Avenida Paulista: um happy hour com amigos, um sorvete delicioso, lanches de todos os tamanhos e sabores, comprar sapatos, descobrir novos livros, assistir a um bom filme, comemorar a passagem do ano ou ver as lindas de decorações de Natal. Esta Avenida é São Paulo resumida em um pedacinho. Imperdível!

A avenida Paulista é a principal avenida da cidade em termos de (re) conhecimento, manifestações sociais, eventos, aparição midiática, etc.
Não só a avenida em si, mas seu entorno também. Concentra diversos shoppings, hospitais, restaurantes, centros empresariais, centros culturais, vida noturna (rua Augusta, por exemplo) e muito mais.
É muito assediada ao longo de todo ano, principalmente nas épocas do Natal e Reveillón (local de concentração).

via iPhone

Lugar mais famoso de São Paulo , bom um dos mais . A avenida é imensa com alguns shoppings , o MASP museu da arte , um parque , vários cafés e restaurantes , faculdades e muitas lojas , é um centro financeiro Tb , muitos escritórios e prédios de residência ! Famosa e bonita ! existem algumas estacoes de metro que sai direto nela. a cada ponto da paulista. ela costumava ficar muito bonita na epoca de natal

via Android

Foi a primeira vez que fomos na paulista de domingo desde que fecharam a avenida e acjei bem legal!
Ficou com um aspecto bem de rurismo com feirinhas, pessoal andando de bicicleta e patins!
Tem um pessoal que traz o cachorro para passear tambem! E tem um show fe um carinha aqui ! E1 legal! Engraçadooi!

Uma das avenidas mais famosas da cidade de São Paulo, bela por seus arranha-céus, edifícios, conhecida pelo agito de uma cidade grande e por sua cultura.
Local onde tem diversos bares e restaurantes, uma bela avenida de uma cidade grande que nunca para.
Que passa pela avenida paulista sempre quer voltar, um dos cartões postais da cidade de São paulo.
Exibindo 14 opiniões | Total de 698 opiniões
18 opiniões não são recomendadas
Você conhece o Avenida Paulista? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)