Dicas rápidas Ver todas as dicas
Opiniões dos consumidores
O nome do restaurante é derivado de um termo muito utilizado pelo povo da Amazônia para designar as ondas revoltas formadas nos rios, principalmente as que se acontecem quando uma embarcação passa, e foi baseado nesta premissa agitada que o chef Felipe Schaedler decidiu reinventar os tradicionais pratos com peixes, sementes, cogumelos e ervas e se tornou um dos cozinheiros de maior destaque no Brasil.

O sobrado é todo estruturado para acomodar o máximo de pessoas com bastante conforto, é dividido em dois pisos e as mesas tem uma boa distância entre si.

Após subir a escadaria encontramos o primeiro ambiente, temático, com toda decoração remetendo ao nome do restaurante: Mesas e cadeiras de madeira, canoas, remos e detalhes em palha adornando a iluminação no teto, um charme.

Atravessando todo o primeiro pavimento chegamos a um corredor com painéis fotográficos de autoria do chef Felipe Schaedler. Além do hobby de procurar novos ingredientes por onde passa, Felipe também é fotógrafo e adora registrar as várias comunidades e paisagens da Amazônia.

O corredor leva à escadaria e ao segundo pavimento, que foi onde decidimos passar a noite. Para onde quer que se olha tem algum detalhe, mas não é aquele tipo de ambiente lotado de quinquilharias, aqui é tudo muito organizado e de ótimo gosto. O cenário é uma legítima imersão na cultura regional.

Schaedler está sempre estudando a Floresta Amazônica, ouvindo os caboclos e escolhendo pessoalmente cada fornecedor para o Banzeiro, além disto, mantém uma pequena horta no restaurante, em um espaço bem tranquilo e romântico no segundo pavimento.

Outro detalhe que gostei muito é que a cozinha é aberta, dá pra ficar assistindo o pessoal trabalhando e finalizando (lindamente) os pratos.

Fomos super bem atendidos desde a chegada, todos muito solícitos e dispostos. Mesmo com a casa cheia não notei ninguém que ficou desasistido pelos garçons e demais atendentes.

Depois de acomodados recebemos à mesa um saboroso Caldinho de Tambaqui, servido como cortesia em uma canequinha de porcelana. Um “boas-vindas” pra lá de especial.

No menu de entradas ficamos curiosos com o Dadinho de Tapioca com Geleia de Cupuaçu e Murupi. – R$ 28,00 (07/2015) –

Assim que chegou à mesa descobrimos que tínhamos feito a escolha correta, os dadinhos são macios, não tem gosto forte de tapioca e a geleia pode ser utilizada em qualquer prato devido ao paladar fácil.

Os dadinhos estavam ótimos, mas não tem como visitar o Banzeiro sem experimentar a famosa Formiga Saúva e Espuma de Mandioquinha. A exótica saúva, de sabor capim limão, bem fritinha, é servida em colheres individuais, a mandioquinha de pirarucu na manteiga de ervas é “dos deuses”. – R$ 8,00 (07/2015) –

O prato principal foi a Costela de Tambaqui Parrilla, do menu que serve duas pessoas. – R$ 119,00 (07/2015) – A comida chega super rápida à mesa, mas o que mais impressionou é que vem tudo em panelinhas e o garçom serve na hora.

Imagine só: Costelinhas grelhadas com flor de sal, acompanhada por baião de dois e farofa de ovo com farinha do Uarini. Serve tranquilamente 2 pessoas e é delicioso, a costela de Tambaqui merece toda a fama que tem, é uma das riquezas culturais do Amazonas.

O Banzeiro faz parte do seleto grupo da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança, e mesmo o Tambaqui sendo um prato muito bem servido, decidimos conhecer também o Prato da Boa Lembrança de 2015 o Arroz de Pirarucu Defumado com Cogumelos e Palmito Fresco. – R$ 69,00 (07/2015) –

O Pirarucu defumado é salteado na manteiga com shimeji, palmito fresco, arroz branco e pimenta de cheiro. Este é o único prato principal individual do Banzeiro, todos os outros servem duas pessoas.

Para fechar com chave de ouro pedimos o inusitado Petit Gateau do Cupuaçu. – R$ 17,00 (07/2015) –

O bolinho de chocolate quente, que nesta versão é recheado com doce de cupuaçu, vem em baixo de uma bola gigante de sorvete de tapioca. Nota 1000 para esta sobremesa!

O restaurante Banzeiro por si só já é uma visita turística. O cardápio variado do chef Felipe Schaedler, com releituras muito bem executadas da comida local, a equipe de atendimento exemplar e o ambiente rico em detalhes justificam todas as honrarias e prêmios recebidos.
Foto opinião do Fábio Junior Alves sobre Restaurante Banzeiro

Possui um lindo ambiente temático com decoração que remete ao nome do restaurante, com canoas e remos na decoração belíssima, eu como boa Manauara, acho lindas essas homenagens ao homem da terra, possui mesas e cadeiras de madeira porém super confortáveis.
A especialidade é a gastronomia Amazônica além de alguns pratos com camarão simplesmente deliciosos. Em média o valor de uma refeição sai por 65,00 mas sinceramente vale a pena demais, pratos super criativos e deliciosos.
Sem falar que o atendimento e o ambiente são excelentes.

via Android

Comida regional e contemporânea? Pode ir sem medo!
Atendimento e ambiente excelentes, pratos deliciosos, preço justo. Sou de Manaus, visito vários restaurantes de comida regional, e de verdade, sempre que recebemos visitas de fora da cidade levamos ao Banzeiro. O filé de pirarucu na farinha ovinha, a trincha de tambaqui grelhado acompanhado de arroz negro e purê de mandioquinha, o picadinho de tambaqui, e outros vários pratos saborosos certamente irão agradar qualquer um.
Quem vier a Manaus não deixe de conhecer..vale a pena.
Exibindo de 1 a 7
Total de opiniões: 32
Você conhece o Restaurante Banzeiro? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)

Baixe grátis o app do Kekanto Escolha sua plataforma: