Praça da Liberdade
Mais na região Como chegar
Dicas Ver todas as dicas
Já foi nesse lugar? Compartilhe sua experiência! Escrever opinião
Opiniões
Passo por essa praça quase sempre desde os meus 15 anos! Comecei a passar por lá primeiro pra ir para o meu curso de desenho que fica na rua de baixo, e hoje voltei a frequentar por trabalhar ali perto. E eu consigo gostar um pouco do clima, porque é realmente oriental, fazem dali uma colonia japonesa mesmo. As lojas são todas voltadas para produtos japoneses, seja alimenticio ou não. Os restaurantes são japoneses e por ali tambem tem escolas só para crianças japonesas. Mas a praça em si não é muito bem frequentada, sempre tem muitos sacos de lixos dos restaurantes ali da rua e é sempre cercada de mendigos. Nunca vi muito problema acontecer por conta disto, mas infelizmente não deixa o ambiente 100% agradavel, né...

Mas isso tem em todo lugar :/ Deixando isso de lado, é exatamente nesta praça que é realizada a feirinha da liberdade todos os finais de semana, e alguns eventos da cultura, com direito a palco e música :D

É uma ótima opçao os restaurantes dali, para quem quer conhecer mais da culinaria, e pra quem quer comprar alimentos e doces diferentes japoneses, la tem bastante mercearia com produtos proprios e altamente recomendaveis! haha

via Android

A Praça da Liberdade é hoje um local agradável que proporciona aos visitantes uma experiência única com o contato de uma cultura diferente da nossa, é possível sentir-se estrangeiro em visita de algum país asiático sem sair de São Paulo. Mas nem sempre foi assim.

Durante a época do Brasil Império, quando nossa Sampa Tonga minguados 35.000 habitantes aproximadamente, a hoje denominada Praça da Liberdade era conhecida como Praça da Forca. Era um local de execução pública, em sua maioria de escravos revoltosos mas, também de criminosos comuns e militares sentenciados à morte por enforcamento.

No fim fio Século XIX, um soldado sentenciado à morte despertou pedidos de clemência da multidão que aguardava antes,o seu enforcamento. O Praça, teve a corda rompida durante a sua execução, em nova tentativa com tia de couro, novamente não foi morto, o que fez com que a população pedisse por clemência acreditando que aquilo fosse um sinal divino de sua inocência. Entretanto, sua execução foi levada a cabo por linchamento.

Por conta disso populares ergueram a Capela da Santa Cruz das Almas dos Enforcados, que não resistiu ao tempo mas, que cedeu lugar à Igreja que hoje existe lá.

Vale a pena conhecer o local, por sua cultura asiática, não preço histórico sombrio de outrora.
A praça é ambientada no estilo oriental. Inclusive a agência do Bradesco remete às construções antigas do Japão - e no natal costuma caprichar na decoração.

No entorno tem restaurantes, lojas de bijuterias entre outras coisas interessantes. No fim de semana é que a coisa fica bacana. É porque acontece a feira, que bomba de gente. É cada coisa mais bonita e interessante do que a outra. Tem barracas de artesanatos, lembranças e até comida típica. Vale a pena conhecer.
São Paulo é a maior cidade japonesa fora do Japão e a praça da Liberdade concentra ao seu redor muito desse espírito em suas lojinhas, mercadinhos, restaurantes.

A praça em si não tem nenhum atrativo especial exceto aos domingos, quando é realizada a Feira de Arte, Artesanato e Cultura da Liberdade, carinhosamente chamada de “Feirinha da Liberdade”.

Lá você encontra comida chinesa, japonesa e também culinária brasileira e artesanato de vários tipos, como bijus, camisetas, esculturas e etc.

Vá com muita paciência para enfrentar longas e demoradas filas, muita gente disputando um lugar para encostar e comer os quitutes e o lixo todo que fica espalhado por alí...

Ou vá nos demais dias da semana e ande mais a vontade e entre em todas as lojinhas mais tranquilamente e aproveite pra almoçar num restaurante bem bacaninha por alí, sugestóes aqui no Kekanto não faltam!!!

Curiosidade: "Na praça onde existe hoje a estação Liberdade do Metrô, há alguns anos atrás, havia a estátua do Regente Diogo Antonio Feijó. Ela foi retirada no início das obras para a construção da estação. Mas há muito tempo atrás, a Praça da Liberdade era chamada de Largo da Forca (ou a Praça dos Enforcados).
Na época do Brasil Império, muitas vidas foram tiradas na Praça com a execução de criminosos através da forca. O porquê da mudança de nome, de Praça dos Enforcados para a Praça da Liberdade, está no fato de o ato de ser executado significar também a liberdade para o condenado. Até o momento da execução, ele se encontrava no lado totalmente oposto da liberdade." (fonte ACAL)
Quando se fala na Praça da Liberdade, confundo a praça com a feira.
Até porque dificilmente passo na praça quando não há feira.
Quando passei, achei ela meio sujo, com muitas das praças em São Paulo.
Agora no domingão, são outros 500.
Uma multidão se estapeando pela fichinha do guioza ou o espetinho de fillet mignon, a feirinha de artesanato.
Resumindo, durante semana é um local como outro qualquer. Recomendo conhecer no domingo, é nesse dia que o charme da praça aflora.
Simplesmente adoro essa Liberdade! Lugar sempre cheio de gente procurando mais e mais do Japão! Ótimos restaurantes, lojas de artigos, presentes, enfeites, feirinhas, um lugar simplesmente incrível. A decoração da rua e algumas lojas nos faz sentir que estamos um pedaço no Japão. Tirando as lojas de peixes e aquários ornamentais no finalzinho da rua, que são show. Adoro! Vale a pena conhecer os mercadinhos de docinhos e bobeiras japonesas, que tem seus aspectos um tanto peculiares, doces de feijão e muito mais, na frente da praça sempre tem a feirinha com comidas, artesanatos e etç, é muito legal também. O único ponto negativo é que tudo lá é super faturado! devido à demanda de gente procurando os itens, mas assim, nada que não dê para comprar! É lógico que quem for tem que levar lembrancinhas japonesas. Quando eu morava lá era muito bom! Todos os dias ia dar um passeio nas infinidades de lojinhas legais que tem lá! Ande bastante, conheça alguns mercadinhos na região e restaurantes Japoneses bons, tem muitas lojas também de artigos japoneses que são incríveis, aproveite que já está aí e visite o museu histórico da imigração na S.Joaquim. Recomendo ir com tempo e dinheiro pra bobeiras!
A Praça da Liberdade eu a conheço desde 1985, quando fui trabalhar na Editora Clube do Livro que ficava na Praça Carlos Gomes número 26, ali ao lado, para trabalhar sempre descia na Estação Liberdade e também como trabalhava de Office-boy na época sempre ia ao Banco Bradesco que ficava no centro da Praça da Liberdade.
Atualmente sempre gosto de ir aos domingos, ao qual a Praça é muito movimentada devida a feira que acontece na praça e pelo bairro, e fazer compras na rua Galvão Bueno e poder comer nas barracas com comidas típicas japonesas e chinesas. Sem contar com uma vasta rede de restaurantes pela região. Ótimo lugar para passear no final de semana.
A praça da Liberdade é onde acontece a feira de mesmo nome que é passeio obrigatório em algum domingo,para quem quer curtir um pedacinho oriental em São Paulo.Além da feira da Liberdade,no entorno dessa praça você encontra mercearias e lojas que vendem produtos orientais e vários restaurantes.Também é nesta praça onde fica uma das saídas do metrô Liberdade,que leva a todos estes estabelecimentos.Lá também é palco de várias festividades,como por exemplo, o Ano Novo Chinês. Resumindo,ponto de visita obrigatório para paulistanos e turistas.
"foto net"
A praça da Liberdade é um local meio estranho pra quem olha pela primeira vez.

Estranho porque nem sempre as pessoas estão acostumadas a ver decoração típica japonesa e coisas do tipo.

Algo que eu adoro na pracinha são os quiosques de comida oriental, que sempre fazem tudo na hora e sempre vem tudo bem quente e gostoso.

Antigamente o pessoal mais jovem ficava bebendo na praça, coisa que hoje já não rola tanto por conta do policiamento pesado no local que acabou com a farra do pessoal. Frequentei muito esse local durante um tempo pois era ponto de encontro com os meus amigos, onde todos íamos pra algum outro lugar do centro.

Tem um McDonalds nessa praça também, e esse Mc tem um jardim muito bonito na parte de trás, lembra até as construções orientais.

Sempre gostei muito de frequentar esse local, mas não sei porque. Tem algo que me atrai e muito, mas acho que deviam investir mais e dar uma ajeitadinha porque está tudo muito abandonado, como praticamente todas as praças e construções legais do centro de SP.
A praça tem a estação de metrô Liberdade e alguns pontos de ônibus em volta, mas em si, não tem grandes atrativos durante a semana. Durante o final de semana ela se transforma e abriga a tão famosa Feira da Liberdade, onde são montadas várias barracas com diversos produtos e comidas orientais. O local fica bem cheio e intransitável para quem vai de carro. A praça também é ponto de partida do bairro da Liberdade. Toda vez que saio do metrô, me sinto entrando num mundo a parte. Adoro a decoração dos imóveis ao redor, as placas que são escritas em português e em japonês, a quantidade de orientais por metro quadrado, que é um povo com o qual eu sempre simpatizei bastante, a diversidade de restaurantes e lojas remetendo ao Nihon, enfim, uma atmosfera deliciosa que me faz mergulhar numa cultura tão fascinante.
Minha opinião na verdade é um protesto a reforma que ocorreu a cerda de 3 ou 4 anos na praça. A chamada "revitalização" da praça da Liberdade em comemoração ao centenário da imigração japonesa trocou todo o piso da praça que hoje está idêntico a antes PRETO e IMUNDO. Não entendo a falta de criatividade do(s) órgão(s) responsável... por que não enchem praça de cerejeiras ou colocam grama no local ao invés desse piso ridículo? Por que tudo na cidade tem que ser cimentado e cinza escuro? O Kasab retirou todos os outdoors do bairro que dava a maior parte da característica oriental, os japoneses foram embora e ficaram apenas alguns chineses e coreanos para trabalhar com o comercio e gastronomia.... se tirar os lustres dos postes e as fachas de alguns prédios acaba toda e qualquer característica de bairro "oriental".
Aos fins de semana é um passeio tradicional para se fazer. Comer um pastel ou algum dos espetos das barraquinhas de comida é essencial.
Para quem estiver com fome e com grana, o Itiriki é um dos restaurantes mais saborosos. Em seguida, procure algo interessante em algum dos mercadinhos ou alguma raridade na loja de CD's e DVD's (e procure com cuidado, já achei raridades do Godard com preços ótimos lá).
Depois encante seus olhos com os artesanatos variados entre as barraquinhas. Tudo isso só na Praça! Existem muito mais aventuras no restante do Bairro.
Exibindo de 1 a 14
Total de opiniões: 78
Você conhece o Praça da Liberdade? Escreva uma opinião! Dê sua nota! Nota geral
Passe o mouse pelas estrelas clique para dar nota
Título da opinião

Opinião
Para enviar fotos ou preencher os campos adicionais, faça seu (Você não perderá a opinião escrita)